Entrevista

Viegas fala sobre carreira musical: 'Minha música é uma representação verdadeira do meu eu'

Conhecido por participar do "BBB" e do "No Limite", cantor prepara novo álbum

Viegas, cantor Viegas, cantor  - Foto: Rodrigo Marconatto/Divulgação

O “Big Brother Brasil” acaba de iniciar sua 22ª edição. Ao longo de duas décadas, o programa lançou vários dos seus participantes ao estrelato e alguns deles aproveitaram a oportunidade para solidificarem suas carreiras artísticas. É o caso do cantor Viegas, que também esteve no “No Limite”, no ano passado. 

Para além das participações em realities, o artista paulistano se dedica a fazer e divulgar sua música. Ele lançou, recentemente, o single “Posso Ser”, em parceria com o grupo Maneva, e está preparando um novo álbum para 2022. Em entrevista à Folha de Pernambuco, Viegas falou sobre o novo momento da carreira, projetos em andamento e relembrou suas passagens pela TV. Confira: 

O que o ano de 2021 representou na sua caminhada profissional e pessoal?

Foi um ano em que colhi ótimos frutos em diversas áreas da minha vida. Dei um gás na minha carreira musical lançando alguns singles durante esse ano e não poderia ter ficado mais feliz com eles, principalmente porque a maioria foi feita em parceria com pessoas que eu admiro demais, como o pessoal da banda Maneva, com quem lancei a música e o clipe de “Posso Ser”. Participar do “No Limite” também foi uma experiência surreal, incrível e que dificilmente vou me esquecer. E algo essencial que 2021 me ensinou é a ter resistência contra todo tipo de maldade. Não importa onde estejamos, sempre vai haver pessoas ruins e temos que manter isso em mente para não sermos afetados por elas. No geral, acho que, se você deixar seu coração aberto, cada momento irá agregar na sua caminhada e se tornar inesquecível de um certo modo, porque tudo nessa vida tem algo a nos ensinar. 



Para 2022, que está só começando, quais são os seus principais desejos e expectativas?

Se tudo correr como planejado, em fevereiro, eu vou lançar o meu novo álbum, “Conexão”, e com certeza estou muito animado para isso. Eu amo me conectar com as pessoas através da minha música, então, quero que elas escutem, se identifiquem e entendam a mensagem que está sendo passada ali da melhor maneira possível. Além disso, eu obviamente desejo um ano cheio de saúde, paz e amor para todo mundo, ainda mais depois desses dois últimos anos tão difíceis com a pandemia.



O que você pode adiantar sobre o novo álbum? Quais sonoridades, temáticas e referências ele explora?

Busquei usar esse álbum como forma de contemplar as coisas mais positivas da vida, como os relacionamentos saudáveis, amor, esperança, superação... E por isso ele tem uma pegada bem diferente das minhas músicas mais antigas. Como eu cresci na periferia, sempre foi natural para mim falar de política, mas, em meio a tantas coisas ruins acontecendo por todos os lados, achei necessário parar um pouco e voltar o olhar para aquilo que nos faz bem diariamente e muitas vezes nem percebemos. As músicas trazem referências de vários estilos, como reggae, pop, MPB, rock... Enfim, um pouco de tudo que é bom.

Neste ano, você gravou parcerias com Maneva e Julies (“Ela arrebenta”). Como esses encontros te alimentam artisticamente? 

Tanto o Julies quanto a galera do Maneva são pessoas com quem eu tenho um relacionamento incrível e, quando a gente está em sintonia com o outro, a música vem da maneira mais rápida e natural possível. Nos dois casos, a ideia da parceria partiu de nós mesmos e, depois, ainda conseguimos finalizar a composição quase que instantaneamente. É através desse tipo de conexão verdadeira que a minha música é feita. 

Podemos esperar mais parcerias em 2022? Com quem?

Claro. Muito em breve vocês irão conhecer uma canção linda, que tive a honra de gravar com a Tati Portella. Mas não quero falar muito para não dar spoiler. Aguardem só mais um pouco. Está bem próximo.

Sua presença no ‘BBB 18’ e no ‘No Limite’ serviram de vitrine para a sua música? 

De certa forma, sim. Na maioria das vezes, as pessoas chegam na minha música porque me conheceram através desses programas e simpatizaram comigo. Como a minha música é uma representação verdadeira do meu eu, elas acabam curtindo o meu som também. Os programas ajudaram as pessoas a me conhecerem, mas acredito que, quando elas continuam me acompanhando, é porque gostam para valer do meu trabalho artístico.

Aceitaria participar de mais algum reality?

Sim. Se a proposta for boa, me jogaria em um novo reality. Com as experiências que tive nos que participei certamente me sinto preparado para qualquer desafio.
 

Veja também

Juliette e Xuxa se encontram no Recife para gravação de série
Famosos

Juliette e Xuxa se encontram no Recife para gravação de série

Vangelis, compositor da trilha sonora de 'Blade Runner', morre aos 79 anos
Luto

Vangelis, compositor da trilha sonora de 'Blade Runner', morre aos 79 anos