televisão

Globo exibe nova edição do Falas Femininas; especial terá comando de Taís Araújo e Paolla Oliveira

Especial retorna à Globo com foco na saúde mental das mulheres

Bastidores: Edição 2024 do especial "Falas Femininas", da GloboBastidores: Edição 2024 do especial "Falas Femininas", da Globo - Foto: Divulgação

Com bandeiras como inclusão, respeito e diversidade na ordem do dia, desde 2020, a Globo vem se apropriando de importantes datas do calendário para colocar em prática o “Projeto Falas”. Sob a direção artística de Antonia Prado, a iniciativa cria produções especiais com o objetivo de valorizar temáticas sociais relevantes, como a luta dos Povos Indígenas, o Orgulho LGBTQIA+, a valorização da população idosa e o movimento antirracista. Em sintonia com o Dia Internacional da Mulher, celebrado no próximo dia 8 de março, a emissora exibe mais uma edição do “Falas Femininas”.

Sob o título de “Louca”, o programa vai debater a exaustão e os diversos fatores que impactam e corroem a saúde mental feminina, abordando temas como o assédio, o abuso psicológico (gaslighting) e o abandono. “A gente queria chegar a um tema que fosse transversal a todas. Sabendo, claro, que os privilégios modulam e criam recortes diferentes para cada experiência. Após conversar com muitas mulheres, a resposta que tivemos foi estarrecedora e revelou que a vasta maioria das brasileiras se sente sobrecarregada. Isso está intimamente ligado ao imaginário de que cuidar do outro é uma tarefa exclusivamente feminina”, conceitua Prado.

Com uma equipe majoritariamente feminina, o especial conta com roteiro de Veronica Debom e Isabela Aquino e apresentação de duas das grandes estrelas da casa: Taís Araújo e Paolla Oliveira. Com formato de experimento social, o programa vai para as ruas com o objetivo de captar a reação de brasileiros a simulações de situações comuns, e, não por isso, menos absurdas, vivenciadas no cotidiano. Em “Loucas”, com desfechos surpreendentes, as experiências revelaram as desigualdades e preconceitos que ainda existem no mercado de trabalho. Além de diversos casos onde mulheres tiveram suas vozes silenciadas ao serem descredibilizadas e manipuladas. “Com os experimentos, a gente conseguiu perceber como as pessoas se comportam diante de coisas que ocorrem no cotidiano e que, apesar de não serem normais, são normalizadas. A gente mostra, de maneira quase didática, o que as mulheres, infelizmente, passam no dia a dia”, avalia Taís.

Amigas de longa data, Taís e Paolla celebram a oportunidade de estarem juntas em um projeto que levanta debates tão necessários. Para Paolla, o título do especial é pontual ao reverberar um dos principais xingamentos sofrido por mulheres que têm a urgência de serem ouvidas e respeitadas. “Historicamente, a mulher é chamada de louca em todos os lugares. Assim como também faz parte da história das mulheres a exaustão e o assédio. Tudo isso precisa ser debatido para que a gente realmente consiga sair de nossas bolhas e falar para o grande público. Ter essa conversa em plena tevê aberta é muito relevante”, valoriza Paolla.

Gravado ao longo do mês de fevereiro e com 45 minutos de duração, a produção conta com a participação de especialistas, como a advogada Fayda Belo e a psicóloga Jaqueline Gomes de Jesus, que contribuem com suas análises e expertises nos temas. Além disso, o programa também mostra depoimentos corajosos de anônimas e famosas, como a cantora Preta Gil. Para arrematar a conversa, a influenciadora digital Ana Terra Oliveira, conhecida por mostrar as diferenças de percepção de mundo entre homens e mulheres, ouve a população nas ruas.

Com mais cinco edições previstas para irem ao ar ao longo de 2024, o “Projeto Falas” quer reforçar o objetivo da emissora em reforçar a diversidade e as múltiplas representações em seus conteúdos e na grade de programação. Mas também quer ir além do institucional, criando pontes e diálogos nas salas das casas de todo o país. “Buscamos, a cada ano, ampliar o debate em torno de temas importantes para a sociedade, através de conteúdos que provocam a reflexão. Sem deixar de lado a leveza e o entretenimento que engaja, levando às rodas de conversa novos pontos de vista e promovendo conscientização e empatia”, defende Leonora Bardini, diretora de programação e marketing da Globo.

“Falas Femininas” – Globo – exibição prevista para terça, dia 8 de março.

Veja também

Salman Rushdie relembra atentado em primeira entrevista à televisão
ESCRITOR

Salman Rushdie relembra atentado em primeira entrevista à televisão

Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso comemoram indiciamento de mulher filmada fazendo ofensas racistas
DECLARAÇÃO

Giovanna Ewbank e Bruno Gagliasso comemoram indiciamento de mulher filmada fazendo ofensas racistas

Newsletter