Literatura

"Yes, nós temos Coca-Cola", de Frederico Toscano, trata do encontro cultural e gastrô entre EUA e PE

Obra de Frederico Toscano foi lançada pela Cepe e aborda o entrelaçamento das culturas estadunidense e pernambucana

"Yes, nós temos Coca Cola""Yes, nós temos Coca Cola" - Foto:

Para além de canapés, cachorros-quentes e coquetéis, a cultura alimentar americana é farta em vender bem o seu próprio "peixe" e popularizar sua abundância de ideias, conceitos e sabores. Como diria o escritor, gastrônomo e historiador pernambucano Frederico Toscano, o Brasil foi (é) "(...) bombardeado agressivamente por essa cultura americana industrializada". 

Fartura ou escassez?
Não à toa, a recebemos de braços (e paladares) abertos no contraponto da escassez que se avizinhava pelas bandas de cá, do Recife, inclusive, a partir da década de 1930 até os anos de 1960.

E foi esse o recorte de Toscano para lançar "Yes, nós temos Coca-Cola A fartura dos Estados Unidos e a guerra contra a fome no Nordeste", livro da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe), que traz narrativa histórica mesclada aos conhecimentos culinários do autor mestre e doutor em História e bacharel em Gastronomia, títulos que impulsionaram seu desejo de escrever sobre aspectos culturais em meio à sua percepção sobre alimentação. 

Frederico Toscano, escritor, historiador e gastrônomoEscritor Frederico Toscano

"Muito cedo descobri que não queria ser chef, queria contar história e fui fazer o curso para juntar tudo", ressaltou ele em conversa com a Folha de Pernambuco. Ocasião em que falou sobre o processo de construção do livro que sucedeu a "À Francesa: a belle époque do comer e do beber no Recife" (Cepe, 2014), cujo mote era trazer à tona a influência cultural da França do início do século XX na capital pernambucana

Industrialização agressiva
"Somos um povo colonizado culturalmente, mas isso é uma questão histórica, complexa. Na Semana de Arte em 1922, em São Paulo, foi feito um primeiro grande esforço para que a produção cultural se voltasse para cá, com fontes emocionais próprias, numa tentativa de reconhecer a cultura local. Mas a industrialização americana é forte e agressiva, cria produtos atraentes. Acabamos adotando e naturalizando a cultura postiça (da entrada dos EUA nos costumes brasileiros)", descreve o autor, que enveredou por fontes diversas para dar robustez à pesquisa.

"Jornais e revistas, do Brasil, dos EUA e do Recife. Poesias, fotos, livros, teses de doutorado e artigos científicos também fizeram parte, além de seis meses pesquisando in loco, quando peguei muita coisa, como relatórios da Segunda Guerra. A música foi outra fonte de importância, com letras de Luiz Gonzaga e dos Novos Baianos, por exemplo", conta ele.

Coca-Cola: um fetiche
A ideia de assistir ao faroeste dos longas americanos ao invés de "curtir" um filme nacional, também é assunto tratado por Toscano no livro, sob o reforço da qualidade da indústria americana em detrimento ao que era produzido no Brasil. Assim como o encantamento pela Coca-Cola ingerida por soldados norte-americanos direto do gargalo da garrafa, bebida predileta dos nascidos 'from Brazil' até os dias atuais. 

 


"A Coca-Cola está também nos países socialistas, nós somos só mais um País a consumir", enaltece ele que também robustece o livro com a repercussão social dos costumes dos bufês à moda americana em que cada um se serve. 

"Comecei a pesquisa com uma visão estreita e limitada a fast-foods, batatas fritas, hambúrgueres e eles nem entram no livro, já que vai até a década de 1960. Ao longo da produção, fui mudando porque os EUA são continentais como o Brasil, com culinária própria de cada região, estado, cidade, vilarejo. O sul dos Estados Unidos é meio Nordeste, com comida de 'sustância'. As pessoas lá comem tripa de porco e pratos que se assemelham à dobradinha, à feijoada. Eu quis contar sobre a introdução de novos hábitos, mas também sobre a comida de alma que faz parte da gastronomia americana". 

Serviço
"Yes, nós temos Coca-Cola - A fartura dos Estados Unidos e a guerra contra a fome no Nordeste"

Autor: Frederico Toscano
Editora: Cepe
Preço: R$ 70  (impresso) e R$ 28 (e-book)

Veja também

Primeira edição da Feira New Kids chega ao Classic Hall em setembro
Feira

Primeira edição da Feira New Kids chega ao Classic Hall em setembro

Shoppings oferecem opções variadas para diversão dos pequenos nas férias; saiba quais
Férias de Julho

Shoppings oferecem opções variadas para diversão dos pequenos nas férias; saiba quais