Acidente

Zé Celso: laudo aponta aquecedor como provável causa de incêndio em apartamento do dramaturgo

Corpo do dramaturgo Zé Celso passará por exame necroscópico; artista não resistiu aos ferimentos de um incêndio em seu apartamento

Zé Celso morreu após sofrer quimaduras em incêndio Zé Celso morreu após sofrer quimaduras em incêndio  - Foto: Reprodução/Instagram

Laudo do Instituto de Criminalística (IC) da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP) aponta para a provável causa do incêndio que causou queimaduras em 60% do corpo de Zé Celso Martínez, na terça-feira (4). De acordo com o documento, a hipótese considerada é de que as chamas começaram em um aquecedor. O dramaturgo não resistiu aos ferimentos e morreu na manhã desta quinta-feira (6), na capital paulista.

Aquecedor pode ter sido causa de incêndio
A SSP informou ao Globo que "o incêndio pode ter iniciado em virtude do contato entre um aquecedor e materiais de fácil combustão, presentes no cômodo", conforme consta no laudo do IC. Os materiais combustíveis não foram especificados.

Em nota, a secretaria acrescentou que o corpo de Zé Celso passará por exame de necropsia "visando ao devido esclarecimento do caso". A pasta também lamentou a morte do dramaturgo e informou que as causas do incêndio são investigadas na 36º Delegacia de Polícia, que atende a região da Vila Mariana.
 

Zé Celso morreu aos 86 anos após incêndio
O dramaturgo Zé Celso Martínez morreu na manhã desta quinta-feira em São Paulo. O estado de saúde do dramaturgo havia tido um agravamento na quarta-feira, quando desenvolveu quadro de insuficiência renal. Desde então, o quadro se agravou, sem que ele conseguisse responder ao tratamento. O diretor teve falência dos órgãos na manhã desta quinta. Ele havia sido internado na UTI do Hospital das Clínicas desde a manhã desta terça, após sofrer queimaduras devido a um incêndio em seu apartamento no Paraíso, Zona Sul de São Paulo.

Zé Celso, de 86 anos, estava dormindo em seu quarto quando, por volta das 7h30, sua casa começou a pegar fogo. De acordo com vizinhos, a suspeita é que o fogo tenha começado após um curto-circuito do aquecedor. O 36º DP (Vila Mariana) da Polícia Civil investiga as causas do incêndio. Ele foi encaminhado para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), onde foi entubado após ter queimaduras em 60% do corpo.

No apartamento, havia outras três pessoas: seu marido Marcelo Drummond, e os atores Victor Rosa e Ricardo Bittencourt. Os três não sofreram queimaduras, mas foram encaminhados para um hospital porque inalaram muita fumaça. Victor foi o responsável por puxar o dramaturgo, que estava deitado no chão com muitas queimaduras. O apartamento de Zé Celso fica no sexto e último andar do prédio.

Quem é Zé Celso?
Nascido em 1937, em Araraquara, Zé Celso é considerado um dos principais dramaturgos do país, e tem seu nome associado desde o final dos anos 1950 com o Teatro Oficina, uma das mais importantes companhias brasileiras, há 65 anos em atividade. O grupo tem origem no Centro Acadêmico 11 de Agosto, da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, onde o futuro dramaturgo e diretor estudava, e, com outros estudantes, fundou o Grupo de Teatro Amador Oficina. Dirigidos por Amir Haddad, seus primeiros textos são autobiográficos: "Vento forte para papagaio subir" (1958) e "A incubadeira" (1959).

Em 1961, já em processo de profissionalização, o grupo aluga a sede do Teatro Novos Comediantes, tendo como fundadores, além de Zé Celso, Renato Borghi (1937), Ítala Nandi (1942) e Etty Fraser (1931-2018). Neste período, a companhia obtém repercussão montando textos como "Pequenos burgueses" (1963), do russo Máximo Gorki (1868-1936), com influências do método Stanislavski. Com o golpe militar no ano seguinte, a peça é censurada e obrigada fazer cortes.

Ainda em 1964, o diretor monta "Andorra", do suíço Max Frisch (1911-1991), usando a crítica ao antissemitismo do texto original para abordar o regime militar brasileiro, e marcando a transição do grupo ao teatro épico de Bertolt Brecht (1898-1956). Entre 1964 e 1966, Zé Celso viaja para a Europa, e, na volta ao Brasil, monta no Teatro Brasileiro de Comédia (TBC) "Os inimigos", outro texto de Gorki. No mesmo ano, o prédio do Oficina é incendiado por grupos paramilitares, e a companhia remonta antigos sucessos para levantar fundos.

Revolução com 'O Rei da Vela'
Em 1967, Zé Celso escreve seu nome definitivamente na história do teatro brasileiro com a adaptação do clássico modernista de Oswald de Andrade (1890-1954), "O Rei da Vela". Mesclando linguagens como o melodrama e o teatro de revista à cultura pop, o espetáculo é considerado o marco inicial do tropicalismo nos palcos. No ano seguinte, outro espetáculo fundamental para a dramaturgia brasileira, "Roda viva", primeiro texto teatral de Chico Buarque, torna-se um símbolo da luta contra a censura e pela liberdade de expressão. O elenco e a equipe do espetáculo sofrem dois atentados: em julho, o Comando de Caça aos Comunistas (CCC) invade o Teatro Ruth Escobar, em São Paulo, depredando o espaço e agredindo os artistas; em outubro, após o fim da sessão de estreia no Teatro Leopoldina, em Porto Alegre, a atriz Elizabeth Gasper (que substituiu Marília Pêra) e o músico Zelão foram sequestrados e levados a um local ermo, onde foram ameaçados de morte. A montagem foi interrompida e, em seguida, censurada pelo regime militar.

Exílio e sede assinada por Lina Bo Bardi
Já marcado pela repressão pós-AI-5, Zé Celso e o Oficina buscam inovações cênicas para driblar a censura, até que, em 1974, o diretor e dramaturgo é preso e torturado, sendo libertado após 20 dias. Após um período de exílio em Portugal - onde dirigiu o documentário "O parto" (1975), sobre a Revolução dos Cravos, no ano anterior - Zé Celso volta em 1978, e retoma as atividades do grupo, que, em 1984, passa a se chamar Associação Teatro Oficina Uzyna Uzona. No mesmo ano, tem início da reforma de sua sede, no bairro da Bela Vista, com projeto de Lina Bo Bardi (1914 -1992) e Edson Elito, concluído em 1994, inaugurado com o nome de Terreiro Eletrônico.

Em 1987, sua vida é marcada por trágica perda de seu irmão caçula, Luís Antônio Martinez Corrêa. Colaborador do Oficina e diretor de espetáculos como o musical "A ópera do malandro" (1978), de Chico Buarque, com Marieta Severo, Elba Ramalho e Ary Fontoura no elenco, Luís Antônio foi assassinado com 107 facadas em seu apartamento, em Ipanema. Dias depois, o surfista Gláucio Garcia de Arruda foi preso após ser identificado pelo porteiro como a última pessoa a sair do apartamento do diretor. Após absolvição em primeira instância, foi condenado em segunda instância, em 1989, a 20 anos de prisão por roubo seguido de morte. Pela brutalidade com que Luís Antônio foi assassinado (foi encontrado nu em sua cama, com mãos e pés amarrados), a classe teatral viu no crime um ato de homofobia. A cada 23 de dezembro, data da morte do diretor, a companhia realiza uma homenagem, o Rito de Ethernidade de Luis.

Da década de 1990 em diante, Zé Celso volta a alcançar grande repercussão com o Oficina em montagens como "As bacantes" (1996), "Cacilda!" (1998) e a adaptação na íntegra de "Os sertões" (2002-2006), de Euclides da Cunha (1866-1906).

Além da extensa carreira no teatro, Zé Celso também atuou na frente das câmeras, em filmes como "Árido movie" (2006), de Lírio Ferreira; "Encarnação do demônio" (2008), de José Mojica Marins (1936-2020); e "Fédro" (2021), de Marcelo Sebá. Na TV, participou da novela "Cordel encantado" (2013), exibida pela TV Globo. Em 2018, ele foi laureado com o Prêmio Faz Diferença, do jornal O GLOBO.

Briga com Silvio Santos
Desde 1980, Zé Celso brigava na Justiça com Silvio Santos para manter o projeto original do Oficina, cuja sede é considerada patrimônio histórico pela Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico). O edifício tem como característica uma grande janela lateral, que permite ver a cidade durante as montagens. Contudo, há 43 anos, o apresentador e empresário comprou um terreno contíguo ao teatro, com planos de erguer um prédio com mais de cem metros de altura para o Grupo Silvio Santos, e o diretor entrou na Justiça para impedir.

Em 2016, um projeto para construção de três torres da Sisan, braço imobiliário do Grupo Silvio Santos, foi proibido pelo Condephaat, mas no ano seguinte a decisão foi revertida. Os dois se encontraram em várias reuniões, mas não houve uma solução consensual. No ano passado, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) proibiu a prefeitura de autorizar a construção de um empreendimento imobiliário com mil apartamentos no terreno, que havia sido liberada pelos órgãos de preservação municipais. Um projeto para a criação do Parque do Bixiga (que seria negociado com uma permuta de terrenos com Silvio Santos) foi aprovado em duas votações, mas acabou vetado em 2020 pelo prefeito em exercício Eduardo Tuma. O Grupo Silvio Santos recorreu à segunda instância.

Ao se casar com Marcelo Drummond, Zé Celso convidou Silvio Santos para a cerimônia, dizendo que esperava receber como presente a doação do terreno ao Oficina. O casal também planejava plantar um ipê que ganhou de presente de Fernanda Montenegro e Fernanda Torres, que plantariam no terreno ao lado do teatro. No entanto, a empresa Residencial Bela Vista, do Grupo Silvio Santos, entrou com uma liminar, no dia da cerimônia, para impedir qualquer tipo de ação no terreno, sob pena de uma multa de R$ 200 mil no caso do descumprimento.

O que causou o incêndio no apartamento de Zé Celso?
De acordo com vizinho que não quis se identificar, o fogo começou nos apartamentos 62 e 63, que são unidades conjuntas, por volta das 7h30. O prédio do dramaturgo e diretor de teatro fica na Rua Achilles Masetti, no Paraíso, Zona Sul da capital.

Os bombeiros chegaram por volta das 8h. Oito viaturas atuaram na ocorrência e o fogo só foi extinto por volta das 10h. Segundo relatos de moradores do prédio, o fogo começou devido a um curto-circuito no ar condicionado.

O apartamento está interditado e a perícia, que deve ser realizada nas próximas horas, vai determinar a causa do incêndio. O prédio, de seis andares, foi completamente evacuado enquanto os bombeiros trabalhavam.

O ator Pascoal da Conceição chegou ao prédio de Zé Celso, de quem é amigo próximo, por volta das 15h30. Emocionado, ele falou que está fragilizado.

"O teatro tem grandes pessoas, personalidades, mas nem sempre tem a oportunidade de ter alguém como o Zé Celso, ele é um gênio do teatro. Um acontecimento desse é um acontecimento de interesse de todos nós, fica todo mundo comovido. O Zé é o teatro brasileiro e ficamos todos torcendo para que não aconteça nada mais grave", disse.

Segundo Pascoal da Conceição, o dramaturgo trabalhou durante a noite e foi dormir pela manhã, quando ligou o aquecedor. O incêndio teria começado na cama de Zé Celso e progredido para a sala, de acordo com ele.

Veja também

Incêndio: fazenda da atriz Lúcia Veríssimo pega fogo após invasão
Minas Gerais

Incêndio: fazenda da atriz Lúcia Veríssimo pega fogo após invasão

Ex-ator mirim é preso nos EUA após ameaçar vizinho com faca; entenda
CONFUSÃO

Ex-ator mirim é preso nos EUA após ameaçar vizinho com faca; entenda

Newsletter