O artista celebra a sua primeira exposição
O artista celebra a sua primeira exposiçãoFoto: Alan Rodrigues/Divulgação

Depois de alcançar o sucesso por meio das redes sociais, o artista plástico Frederico de Melo abre, nesta quarta-feira (14), a sua primeira exposição presencial. O vernissage acontece a partir das 19h, no restaurante Cá-Já, no bairro dos Aflitos. "Estou muito animado, porque tenho muita simpatia pela proposta do Cá-Já", confessa Frederico. A exposição "Cru" traz 24 desenhos, a maioria produzida especificamente para a ocasião. "Quem me segue no Instagram @fredericovms nunca viu nada do que vai estar lá, online", promete o artista.

Frederico de Melo vem apresentando sua obra na internet há mais de cinco anos, mas só agora decidiu vir a público mostrar seus desenhos. O título "Cru", no dicionário, remete ao que ainda não foi exposto ao fogo ou que está em estado inicial, ou de cura. A analogia com o material que pode ser visto no Ca-Já diz respeito a um processo de amadurecimento e aperfeiçoamento no qual o artista diz estar em contínua submersão, em busca de uma linguagem própria.

"Cru" traz figuras masculinas através de um outro olhar, pautado na objetificação - Crédito: Reprodução Instagram

 

São desenhos e retratos que representam a diversidade de cores e formas do corpo masculino. Mais que uma nudez hiperssexualizada, Frederico procura expor a vulnerabilidade desses homens, de forma natural e crua, trazendo pelos, dobras e imperfeições a uma representação que tenta fugir de uma perfeição idealizada. "Eu inverti um pouco o jogo habitual e coloquei o homem no meio dessa exposição, para brigar mesmo com essa coisa de ser sempre a mulher o objeto de desejo, despindo os homens para que eles se sintam também investigados. Eu queria que o meu trabalho surpreendesse quem está acostumado a ver as mulheres nuas nos museus, mas se ofende com um tanto de pêlos expostos num desenho ou com a figura do homem na posição de ser consumido, objetificado”, esclarece.

As peças foram produzidas entre 2017 e 2019. "Precisei pegar emprestadas algumas obras que já tinham sido vendidas. Outras, estão reservadas. Mas a maioria delas é nova e está disponível para venda ao público", destaca. As técnicas são variadas, indo de desenhos feitos apenas com lápis de cor a misturas com nanquim, sanguínea, marcadores e caneta Posca. "Minha experiência profissional como ilustrador de publicidade me ensinou a emular várias estéticas, e eu sempre achei, apesar de admirar artistas com personalidade única, que um trabalho multifacetado era algo mais prazeroso para mim", confessa ele, que cita entre seus inspiradores mestres como Schiele, Klimt, Brennand e Portinari.

"Escapulário", por Frederico de Melo - Crédito: Divulgação

 

Dividindo o recinto com a culinária, os artistas que expõem no Cá-Já e outros espaços semelhantes vêm apostando numa relação em que todos se beneficiam. Num ambiente ao mesmo tempo sofisticado e despretensioso, um público que nem sempre frequenta galerias de arte pode ter acesso às peças. No caso específico do Cá-Já, sua trajetória está ligada à arte desde sua fundação. Diversas exposições já passaram pelo espaço, desde a primeira mostra formal, em fevereiro deste ano, a cargo de Aslan Cabral, que apresentou a série de fotografias "Intervenções Litorâneas".

SERVIÇO
Exposição "Cru", por Frederico de Melo
Abertura nesta quarta-feira (14), às 19h
No Cá-Já Restaurante (rua Carneiro Vilela, 648, Aflitos)
Informações: (81) 3126-0648


veja também

comentários

comece o dia bem informado: