Baco & cia

Murilo Guimarães

ver colunas anteriores
Vinho
VinhoFoto: Arte/Folha de Pernambuco

Apesar de toda desgraceira, para mim foi muito bom! Para tanto sendo suficiente o eleitor brasileiro ter mandado às favas aquela “dinastia” salafrária que assaltou o País. Bastou isso! Pensando melhor, se assim foi, 2018 foi ótimo. Mas como essa não é uma coluna política (ou policial), vamos falar do mundo de Baco. Primeiro comentando publicação veiculada dias desses em um periódico local. Sobre gin. Se você lê minha coluna com alguma regularidade deve saber que sou grande apreciador desta bebida. Há longo tempo - desde que vivi uns anos na Inglaterra - não apenas hoje, quando ele virou moda. Moda que foi tema da tal publicação. Segundo levantamento da Euromonitor Internacional, em 2017 o consumo de gin aumentou 66% no Brasil, bem mais que a média mundial.

Apesar disso, ele representa apenas 1% do mercado nacional de destilados. Onde a cachaça lidera folgadamente, com 70%! Depois o povo reclama do rótulo de cachaceiro... Já no segmento vinícola, o cenário comercial do ano passado não foi tão auspicioso. Pelo menos no item importação brasileira. Que segundo a International Consulting aumentou modestos 1,79% em valor, com queda de 1% no volume. É a crise, amigo, a desgraceira a que me referi! Como um item supérfluo, ele é dos primeiros a sair da lista do mercadinho, não é? Desse rol de importação, você sabe quem lidera? Acertou se respondeu Chile.

Com cerca de 35% do total, vem, todavia, perdendo espaço na pauta, nos últimos anos. A seguir segue a Argentina (15% das nossas compras). Praticamente empatado, ostentando um incremento de 18% no valor que os brasileiros pagaram em 2018 (em relação a 2017), nosso irmão, Portugal. De fato, o único país com um crescimento expressivo nas nossas importações de vinhos. Na sequência, Itália, França (que perdeu 12% em valor no ano passado) e Espanha.

Já no campo das exportações, os produtores brasileiros não podem se queixar. Afinal, em volume de faturamento, os números vêm crescendo constantemente nos últimos quatro anos. Não consegui esse dado, mas aposto nos espumantes como responsáveis por isso. Leitor, meu artigo de hoje mais parece um relatório de economista, não é? Mas começou assim, vai se manter assim! Sabe quais são as 10 cidades do mundo com maior consumo de vinho? Conforme uma pesquisa contratada pela edição 2019 da grande feira WINE PARIS, na cabeceira, Paris, com 709 milhões de garrafas por ano!

Leia também:
O mercado está se rendendo ao vinho rosé
Vinhos nacionais: premiação estrangeira cresceu 80% este ano
Aprenda a fazer pera ao vinho


Só para você entender esse número, pelo consumo per capita conhecido, o Brasil inteiro bebe cerca de 586 milhões de garrafas! Na sequência aparecem Ruhr (Alemanha), Buenos Aires, Milão, Londres, Nova Iorque, Los Angeles, Berlim, Roma e Tóquio (160 milhões de garrafas). Nenhuma cidade brasileira, mostrando que o vinho ainda tem um bom espaço para crescimento entre nós. Vamos trabalhar, gente! Encerro hoje com um brinde especial. À prisão e deportação do Cesare Battisti, restaurando a ordem e a lei desacatadas em 2009 por aquele “outro prisioneiro”. Tim, tim, brinde à vida!


Em destaque
Vinhos exóticos
No próximo dia 23/01, o Empório 4 Elementos vai promover um evento intitulado Vinhos Exóticos, quando serão degustados produtos da Áustria, Eslovênia e Israel, países pouco representados no nosso mercado. Boa chance de conhecê-los. Informações: 3034.3040.

*É médico e enólogo. Escreve quinzenalmente neste espaço

veja também

comentários

comece o dia bem informado: