Baco & cia

Murilo Guimarães

ver colunas anteriores
Vinho
VinhoFoto: Léo Malafaria/Divulgação

Nunca mais tinha tomado uns goles com você. Senti falta. Enquanto isso, o e-mail acumulando notas. E eu sendo criticado por não divulgar as boas notícias nacionais (elas existem, pelo menos no vinho!). Há quem reclame que eu só escrevo sobre os estrangeiros. Pode ser. Vou prestar mais atenção nisso, leitor. Mas, pode crer, com o dólar e o euro sempre altos e a inflação de vinhos, cervejas e gins no exterior, ninguém torce mais que eu para que a produção nacional chegue aos melhores patamares qualitativos. Pois, apesar dos altos impostos, eterno motivo de queixa dos brasileiros, os nossos vinhos estão conseguindo fazer boa concorrência de preço com os importados. Assim como as cervas. Vamos aos goles.

Winemaker Miolo
Começo por essa convocação. Para um projeto que já está no seu 10º ano. Você gostaria de ser um “winemaker”, em bom português (desculpe, Ariano), um fazedor de vinho? Não, não obrigatoriamente como profissão. Só uma experiência pontual. Depois, você sabe, o futuro a Deus pertence! Pois o Adriano Miolo oferece essa oportunidade, num formato excepcionalmente profissional. De agosto de 2019 a junho de 2020, a vinícola Miolo lhe recebe em quatro ocasiões específicas, começando pela poda seca, em agosto. No início de novembro, volta lá para a poda verde e entre fevereiro e abril de 2020 para a festa da colheita, no icônico Lote 43. Finalmente em junho, a prova para definir o corte do vinho, da casta Merlot, ocasião da sua diplomação. Feito isso, em 2021, após maturação em barricas de carvalho, você receberá 60 garrafas com seu rótulo personalizado. Pra você se amostrar pros netos e bisnetos! Sei não, me bateu uma vontade agora... Mais informações no www.miolo. com.br/escola-do-vinho.

Nossos ouros em Bordeaux
Fui eu não! A própria assessoria de imprensa da Associação Brasileira de Enologia me enviou a mensagem falando da premiação de vinhos brasileiros no concurso Citadelles du Vin, na França. Brincadeiras a parte, neste primeiro trimestre de 2019, vinícolas brasileiras ganharam premiações neste e em outros concursos naquele país e na Espanha. Com destaque, como sempre, para os espumantes. Garibaldi Espumante Moscatel, Garibaldi Espumante Chardonnay Brut (também premiados no Challenge International du Vin), Garibaldi Espumante Prosecco Brut, Gran Leopoldina Chardonnay 2017 (Casa Valduga), Zanotto Espumante Moscatel (Vinícola Campestre) e Casa Valduga Gran Villa Lobos 2012 foram os agraciados com medalha de ouro.

Leia também:
Vinho Malbec: um queridinho dos brasileiros
O álcool no vinho

Beronia na Inovini
A Beronia é uma vinícola espanhola, mas a notícia é da ampliação de seu espaço no Brasil. Portanto... Já presente no nosso meio há algum tempo, dias atrás a visita do enólogo Matías Calleja alavancou o conhecimento sobre os vinhos desta Bodega riojana, propriedade do grande grupo vinícola González Byass, famoso por seus Xerez. Trata-se de um vinho de boa qualidade, com um preço bem competitivo. É importado pela Inovini (braço comercial da Aurora), aqui em Recife representada pelo Atacamax.

Por hoje é só. Ih, ultrapassei meu espaço. Vou levar puxão de orelhas. Tim, tim, brinde à vida.

*É médico e enólogo. Escreve quinzenalmente neste espaço

veja também

comentários

comece o dia bem informado: