Bê-a-bá Gourmet

Vanessa Lins

ver colunas anteriores
Grandes vinhos dividem território com bebida mais acessível
Grandes vinhos dividem território com bebida mais acessívelFoto: Divulgação

Quando se fala da região de Bordeaux, a gente logo relaciona esse pedaço do interior da França a alguns dos grandes vinhos do mundo, e também dos mais caros, como Lafite Rothschild e Château Latour, como se fossem representantes absolutos do ethos da produção vinícola local, quando, na verdade, são a mínima parcela dos vinhos bordaleses. A maior produção está fora da classificação “Crus Clássés”, é genérica, mas em absoluto isto significa inferioridade da bebida.

De acordo com Thiago Mendes, sócio da escola Eno Cultura, a região é a maior AOC da França, produzindo cerca de 500 milhões de garrafas anualmente, dos quais 47% são dos vinhos classificados como regionais, Bordeaux AOC (o termo genérico pode ser interpretado de forma pejorativa) podendo ser branco, tinto ou rosé, são vinhos de fácil momento de consumo destinado para o dia a dia, que refletem a identidade da região, os preços dessa categoria podem variar no brasil entre R$ 40 a R$ 150, dependendo do produtor, importador e local de venda.

“Sem dúvida, a região é famosa por abrigar os vinhos mais caros da França, com centenas de anos de tradição vitivinícola e reconhecimento internacional, porém, esses vinhos representam uma pequena parcela da produção dessa região”, conclui.

Aliás, existe um movimento na própria região, como em tantas outras da Europa, de focar na produção de vinhos descomplicados para consumo rápido, com a qualidade devida, saindo a preços mais em conta - certamente, uma resposta direta aos novos hábitos de consumo.

HABEMUS MANGAI
Desde o começo do ano, um zum zum zum de que a rede Mangai desembarcaria no Recife atiçou os fãs da rede de restaurantes de ótima comida nordestina. Promete abrir a filial recifense em Boa Viagem, ainda este mês, no máximo em novembro.

PÃO
O Pacha Mama criou o Clube do Pão, com planos de assinatura de pães artesanais e de fermentação lenta. A panificação oferece 4 modalidades - entre R$ 60 e R$ 180. O “tradicional”, mais simples, entrega 1 pão clássico na casa do cliente e dá um desconto de 5%a ele na próxima compra na padaria física. Em todas as opções, o frete está incluso no valor da assinatura. Os dias de entrega variam de plano para plano. Encomendas: pachamama.faturasimples.com.br.

FEIRA “FAZ”
A feirinha que se instala esporadicamente aos domingos, na cafeteria Borsoi Califórnia, em Boa Viagem, ganha uma edição só com produtores artesanais, neste domingo, das 8h ao meio-dia. Por lá, 12 estandes vão vender geleia, queijo, mel e tempero, feitos em Pernambuco, em baixa escala. Mauro Alencar, da Charcutaria Alencar, leva os embutidos de carne suína certificada, que comercializa apenas sob encomenda.

MACEIÓ
Lícia Maranhão e o sócio, Afrânio Montenegro, estão nos finalmentes do seu novo restaurante em Maceió (AL), o Mima, que terá cozinha simples, bons ingredientes e respeito à técnicas de preparo. Ficará em Ponta Verde. A previsão de abre é novembro.

REC-SP
Cláudia Luna, do Bar do Luna (Ipsep), vai cozinhar em São Paulo no dia 12, no evento PEbA - Encontro de Pernambuco com Bahia. A festinha vai ter música, drinques e “comes” nordestinos.

*É editora do caderno Sabores e escreve quinzenalmente neste espaço. Instagram: @quintopecado

veja também

comentários

comece o dia bem informado: