Livro sobre o Eu Acho é Pouco traz registros fotográficos ao longo de 40 anos
Livro sobre o Eu Acho é Pouco traz registros fotográficos ao longo de 40 anosFoto: Pio Figueiroa/Divulgação

Olinda nesta quarta-feira (27) vibra com o lançamento de "Eu Acho é Pouco - O Carnaval em vermelho e amarelo", contando quatro décadas de história de um dos blocos mais emblemáticos do Carnaval pernambucano. A festa acontece nos jardins do Mercado Eufrásio Barbosa, no Varadouro, a partir das 19h.

Com 236 páginas e custando R$ 50, o livro é resultado de uma pesquisa iniciada em 2014 pela antropóloga Júlia Morim e pela jornalista Luciana Veras. "A gente fazia parte da segunda geração do bloco, e queríamos dar continuidade às ações de nossos pais", relembra Júlia.

Leia também:
[Galeria] Eu Acho é Pouco desfila contra o preconceito
Eu Acho é Pouco reforça luta contra o preconceito e ganha flabelo
Fim de semana com Eu Acho é Pouco, Guaiamum e Imprensa que Entra...


A ideia de registrar a história do Eu Acho é Pouco começou em 2007, quando o grupo registrou o Carnaval e fez algumas entrevistas em vídeo, gerando a base de um documentário que só agora pôde ser finalizado e lançado, juntamente com o livro. Já este último é o resultado de uma pesquisa que recebeu financiamento do Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura), em 2014 e 2015. O projeto foi idealizado pela Proa Cultural como forma de salvaguardar e difundir a memória do bloco.

“Partimos do pressuposto de que a construção da memória se faz de falhas, lembranças, ausências e ressignificações. O processo de pesquisa tornou-se instrumento de uma memória coletiva e afetiva que nos proporcionou descobertas e questionamentos", observa Júlia Morim, para quem o material obtido é algo importantíssimo para que o grupo possa preservar sua história. "Vários membros fundadores já faleceram, desde que a pesquisa começou, o que nos dá uma ideia da dimensão desse registro. Infelizmente a maioria dos blocos não tem essa preocupação e oportunidade", lamenta.

Fundado em 1977, quando o Brasil vivia sob uma ditadura militar, o Eu Acho é Pouco se tornou um dos blocos mais apreciados da folia de Olinda e hoje arrasta cerca de dez mil foliões e foliãs a cada ano. Seu grito de guerra, suas cores e seu mascote (o dragão) integram o imaginário carnavalesco de Pernambuco.

O livro conta com prefácio do professor Roberto Efrem Filho e ensaio do antropólogo Lucas Victor Silva, e traz uma ampla seleção fotográfica que mostra os bailes, desfiles e ensaios, inclusive infantis.

O projeto contempla a inclusão, possibilitando o acesso de pessoas cegas ou com baixa visão através de PDF aberto no site do Eu Acho é Pouco e disponibilizando trechos e fotos com audiodescrição realizada pelo ator pernambucano Irandhir Santos, um dos milhares de foliões do bloco.

Serviço:
Lançamento do livro "Eu Acho é Pouco - O Carnaval em vermelho e amarelo" (236 págs., R$ 50)
Mercado Eufrásio Barbosa (praça do Varadouro, Olinda)
Nesta quinta-feira (27), às 19h

veja também

comentários

comece o dia bem informado: