Premiados do Cine PE
Premiados do Cine PEFoto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

O longa-metragem "O jardim das aflições", do diretor Josias Teófilo, levou o principal calunga da 21ª edição do Cine PE - Festival Audiovisual, que terminou ontem, com a entrega dos prêmios aos vencedores das mostras competitivas de longas-metragens, curtas pernambucanos e curtas nacionais, no Cine São Luiz. Saiu do festival com o trófeu e mais R$ 20 mil.

O filme, sobre o pensamento de Olavo de Carvalho, também foi considerado o melhor pelo júri popular e melhor montagem. Josias não compareceu, por estar viajando, mas enviou Mateus Cartaxo como representante da equipe e pediu para que as estatuetas fossem dedicadas a seu avô, Pedro Teófilo.

Outro filme que se consagrou foi "Toro", de Edu Felistoque, que, entre outros prêmios, se emocionou, ficando com a fala ofegante ao levar o troféu de melhor diretor. "Vai dar excesso de bagagem", brincou Edu, que ainda sapecou um beijo na apresentadora da premiação, a jornalista Graça Araújo.

Entre os curtas de Pernambuco, “Marina e o pássaro perdido” arrebatou dois troféus calunga: de Melhor Roteiro, para Marcelo Cavalcante e de Melhor Edição de Som, para Sérgio Kyrilos. Já “Diamante, o Bailarina” (SP), de Pedro Jorge, ganhou o Prêmio Canal Brasil de Curtas, que inclui exibição no canal de TV paga e ainda mais R$ 15 mil.

"É um filme sobre um boxeador gay e sua luta para não desistir", afirmou Sidney Santiago, o protagonista. Como subiu ao palco em mais de uma ocasião, Sidney também citou o poeta negro Solano Trindade, e falou da batalha contra a discriminação racial, a homofobia e pelo protagonismo do jovem negro.

Outro curta nacional que fala da questão do racismo e que saiu com dois prêmios foi “Mulheres Negras: projetos de mundo” (SP), de Day Rodrigues e Lucas Ogasawara (Melhor Direção e Júri Popular). "Até a adolescência, não conseguia nem falar direito, porque cresci pensando que ao negro não era dado o lugar de fala. Mas o cinema pode transformar a vida das pessoas", disse, emocionada, Day Rodrigues, que também agradeceu às mulheres entrevistadas na produção.

Na competição de curtas pernambucanos, o vencedor foi “Los Tomates de Carmelo”, de Danilo Baracho, que também levou melhor fotografia. "Autofagia", curta de estreia de Felipe Soares, arrebatou três estatuetas: de melhor ator, melhor direção de arte e júri popular. "O que levantamos é o debate sobre violência, respeito e humanidade. Não precisamos de definir gêneros, mas de sermos tratados como seres humanos, que amam e precisam ser amados", ressaltou Emanuel David D'Lúcard, Melhor ator pelo curta “Autofagia” (PE).

Hors concours
Antes da premiação, foi com duas produções que estão diretamente conectadas ao Estado que se encerrou esta edição do festival. Além da premiação, a noite desta segunda-feira contou com a exibição do curta-metragem “Duas Mulheres”, de Marcelo Brennand e do longa “Atum, Farofa e Spaghetti”, que conta a história dos chefs pernambucanos Duca Lapenda, Joca Pontes e André Saburó Matsumoto, road movie dirigido por pelo italiano Ricardo P. Rossi.

Premiado no Williamsburg Independent Film Festival, de Nova Iorque, "Duas mulheres" é baseado no conto "Duas mulheres em preto e branco", de Ronaldo Correia de Brito, e mostra o acerto de contas entre duas amigas. Já o documentário sobre os mestres da culinária - que conta com a participação da jornalista Vanessa Lins, editora do caderno Sabores desta Folha de Pernambuco - foi produzido de maneira independente e já abocanhou prêmios como o de melhor filme em língua estrangeira no Hollywood International Independent Documentary Awards, nos Estados Unidos; e o de melhor filme pelo júri do Terres Catalunya, na Espanha.

Para Sandra Bertini, idealizadora do Cine PE, o balanço da edição de 2017 - que precisou ser adiada em um mês devido à saída de sete filmes da programação inicial - foi positivo. “Enquanto produtora, estou muito satisfeita com o evento. Da logística à qualidade de som, tudo funcionou”, comentou a diretora do festival, em entrevista na manhã de ontem.

Em sua avaliação, Sandra destacou a boa frequência do público, que praticamente lotou o Cinema São Luiz em todos os dias e esgotou na pré-venda os ingressos da sessão da última quarta-feira, dia 28 de junho, e citou contratempos de âmbito natural, como as fortes chuvas que persistiram na capital pernambucana ao longo da última semana: “O evento foi bem frequentado, ainda mais se levarmos em consideração o tempo chuvoso que o cercou durante todos os dias de exibição”.

Veja a lista completa de premiados:

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS PERNAMBUCANOS
Melhor Filme – “Los Tomates de Carmelo” (PE), Danilo Baracho
Melhor Direção – Danilo Baracho, “Los Tomates de Carmelo” (PE)
Melhor Roteiro – Marcelo Cavalcante, “Marina e o pássaro perdido” (PE)
Melhor Fotografia – Danilo Baracho, “Los Tomates de Carmelo” (PE)
Melhor Montagem – Marcus Paiva, “Soberanos da Resistência” (PE)
Melhor Edição de Som – Sérgio Kyrilos, “Marina e o pássaro perdido” (PE)
Melhor Trilha Sonora – Carlos Ferrera, “Soberanos da Resistência” (PE)
Melhor Direção de Arte – Felipe Soares, “Autofagia” (PE)
Melhor Ator – Emanuel David D`Lúcard, “Autofagia” (PE)
Melhor Atriz – Brenda Lígia, “Aqui Jaz” (PE)

JÚRI POPULAR – “Autofagia” (PE), Felipe Soares

PREMIO DA CRÍTICA – “Entre andares” (PE), Aline van der Linden e Marina Moura Maciel

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS NACIONAIS
Melhor Filme – “Diamante, o Bailarina” (SP), Pedro Jorge
Melhor Direção – Day Rodrigues e Lucas Ogasawara, “Mulheres Negras: projetos de mundo” (SP)
Melhor Roteiro – Olimpio Costa e Mauricio Nunes, “O Ex-Mágico” (PE)
Melhor Fotografia – Pedro Maffei, “Retratos da Alma” (DF)
Melhor Montagem – Márcio Miranda Perez, “Quando os dias eram eternos” (SP)
Melhor Edição de Som – Jefferson Mandú, “O Ex-Mágico” (PE)
Melhor Trilha Sonora – Claudio Nascimento, “O Ex-Mágico” (PE)
Melhor Direção de Arte – Daniela Aldrovandi, “Diamante, o Bailarina” (SP)
Melhor Ator – Eucir de Souza, “Sal” (SP)
Melhor Atriz – Helena Albergaria, “O Tronco” (SP)

MENÇÃO HONROSA DO JÚRI – “Luiza” (PR), Caio Baú

JURI POPULAR – “Mulheres Negras: projetos de mundo” (SP), Day Rodrigues e Lucas Ogasawara

PREMIO DA CRÍTICA – “O Ex-Mágico” (PE), Olimpio Costa e Mauricio Nunes

PRÊMIO CANAL BRASIL DE CURTAS
“Diamante, o Bailarina” (SP), Pedro Jorge

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS:
Melhor Filme – “O Jardim das Aflições” (PE), Josias Teófilo
Melhor Direção – Edu Felistoque, “Toro” (SP)
Melhor Roteiro – Edu Felistoque, Julio Meloni, “Toro” (SP)
Melhor Fotografia – Alex Lopes, João Atala, Raul Salas, Natalia Sahlit, Inti Briones, “O Crime da Gávea” (RJ)
Melhor Montagem – Matheus Bazzo e Daniel Aragão, “O Jardim das Aflições” (PE)
Melhor edição de som – Guilherme Picolo, Lucas Costabile, “Toro” (SP)
Melhor Trilha Sonora – Nancys Rubias , She Devils , Kumbia Queers, “Los Leones” (MG)
Melhor Direção de Arte – Lúcia Quental, “O Crime da Gávea” (RJ)
Melhor Ator Coadjuvante – Rodrigo Lampi, “Toro” (SP)
Melhor Atriz Coadjuvante – Aline Fanju, “O Crime da Gávea” (RJ)
Melhor Ator – Mário Bortolotto, “Borrasca” (SP)
Melhor Atriz – Simone Spoladore, “O Crime da Gávea” (RJ)

JURI POPULAR – “O Jardim das Aflições” (PE), Josias Teófilo

PREMIO DA CRÍTICA – “Los Leones” (MG), André Lage

Premiados do Cine PE
Premiados do Cine PEFoto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco
O jardim das aflições
O jardim das afliçõesFoto: Matheus Bazzo/Divulgação
Diamante, o bailarina
Diamante, o bailarinaFoto: Divulgação
Marina e o passarinho perdido
Marina e o passarinho perdidoFoto: Divulgação

veja também

comentários

comece o dia bem informado: