Cena do filme 'The Man-Woman Case', de Anäis Caura
Cena do filme 'The Man-Woman Case', de Anäis CauraFoto: Divulgação

A cineasta francesa Anäis Caura é uma das convidadas especiais do Animage - Festival Internacional de Animação de Pernambuco. Além de apresentar seu média-metragem, "The Man-Woman Case" (2017), nesta quinta-feira (18), às 20h30, no Cinema São Luiz (com debate com a diretora depois da sessão), a cineasta também participa, na sexta-feira (19), às 17h30, da masterclass "Os passos para fazer uma animação: da ideia até o produto final", na Caixa Cultural Recife (de acordo com a lotação do espaço, com ingressos distribuídos uma hora antes).

"A primeira coisa que quero compartilhar durante a masterclass é que se você quer fazer um filme de animação, ou um filme, faça! Você não precisa de grandes estruturas, grandes estúdios ou grande orçamento para fazer. Não há regras, existem muitas maneiras de se produzir um filme", diz Anäis, em entrevista exclusiva para a Folha de Pernambuco. "Vou falar sobre o processo de criação de meu filme, a ideia, a concepção, e eu vou mostrar nosso storyboard, nossos primeiros desenhos e animações. Quero compartilhar o que eu aprendi dessa experiência", ressalta.

Leia também:
Animage exibe o clássico 'Yellow Submarine' e o curta 'Bolha'
'A cidade dos piratas' e 'Guaxuma' são destaques do Animage
Festival Animage 2018 apresenta curtas e longas premiados


"The Man-Woman Case" é inspirado em fatos reais: a vida de Eugène Falleni, homem transgênero condenado pelo assassinato de sua mulher. "Um dia, enquanto estava navegando na internet, encontrei um site que mostrava fotos de criminosos nos anos 1900. Eu gosto de ver fotos velhas e todos aqueles estilos antigos de gângsteres. Eu vi a foto de Eugène e fui cativado pela tristeza infinita de seu olhar. Li as acusações contra ele e fiz pesquisas. Sua história era completamente romanesca, e eu achei que poderia ser uma boa história para um filme", detalha.

Através desse caso real, Caura parece expandir a discussão para o período atual. "Gostaria de pensar que é um filme que fala sobre tolerância, aceitação. Ainda há muita transfobia e intolerância em 2018. Então a história de Eugène é moderna, também. É mais uma reflexão sobre quem são os monstros de verdade nessa história", opina.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: