Sequência de "Vai que cola" chega aos cinema nesta quinta-feira
Sequência de "Vai que cola" chega aos cinema nesta quinta-feiraFoto: Divulgação

O "Vai que cola" segue como uma das maiores audiências da TV paga há seis anos. O sucesso da série do Multishow inspirou a produção de um longa-metragem, em 2015, que atraiu mais de três milhões de espectadores para os cinemas. Já conhecidos por grande parte do público, os personagens do humorístico estão de volta à telona em "Vai que cola 2 - O começo". O segundo filme da franquia estreia nesta quinta-feira (12) e promete repetir a dose de irreverência.

Como o próprio título sugere, a sequência reúne toda a turma do Méier para contar como tudo começou, quando a pensão da Dona Jô (Catarina Abdala) ainda nem existia. Ambientada no passado dos personagens, a trama mostra histórias que já permeiam o universo do programa, mas nunca haviam sido apresentadas em cena, como o primeiro encontro de Jéssica (Samantha Schmütz) e Máicol (Emiliano D'Ávila), a chegada de Ferdinando (Marcus Majella) ao Rio de Janeiro e a morte de Tiziu (Fábio Lago), grande amor da vida Terezinha (Cacau Protásio). É durante uma feijoada no Morro do Cerol que todos se conhecem e as confusões começam.

Para Cacau Protásio, o grande desafio do filme foi ter que desconstruir sua personagem. "Para fingir que eles não se conheciam, a gente precisou começar do zero e fazer tudo de novo", revela a atriz, em entrevista à Folha de Pernambuco. A parceria com o ator Fábio Lago, segundo a artista, foi fundamental para que ela conseguisse imprimir um pouco de sofrimento em meio a tantas cenas cômicas.

Leia também:
Comediante compara Bolsonaro ao Coringa de Batman em programa nos EUA
Paulo Gustavo: em êxtase por nascimento de gêmeos


"Ele trouxe um Tiziu totalmente diferente do que eu imaginava. Terezinha fala dele como alguém que faz e acontece, mas no longa se mostra um cara doce, mesmo sendo o dono do morro. Acho as coisas que a mulher fala sobre ele são mais para impor um respeito como viúva", comenta.

A comédia é novamente dirigida por César Rodrigues e conta com os nomes de Renato Fagundes, João Paulo Horta e Leandro Soares no roteiro. Sem Paulo Gustavo no elenco, a sequência traz de volta a atriz Fiorella Mattheis, no papel da falsa tcheca Velna, e acrescenta as participações de Silvio Guindane, Marcelo Médici, Paulinho Serra e Érico Brás. Emiliano D'Ávila aponta a mudança de cenário como um dos fatores responsáveis por fazer o segundo longa ser melhor do que o anterior.



"Esse filme é mais colorido e tem um apelo popular ainda maior. No primeiro, os personagens se mudavam para o Leblon, que é um universo estranho para o mundo da série. Agora, a gente conseguiu mostrar o Méier, o Morro do Cerol, que têm mais a cara do programa", opina.

"Acredito que a longevidade do seriado tem a ver com a identificação do público. Quando as pessoas se reconhecem nos personagens, elas criam um amor por aquela obra que eu, estando do outro lado, não consigo explicar", argumenta Cacau. Ao menos no Multishow, "Vai que cola" já tem sua continuidade garantida.

A sétima temporada do sitcom deve estrear ainda no segundo semestre deste ano, com direito a cenas filmadas em Miami. Paulo Gustavo estará de volta em alguns episódios, mas com um papel diferente: Angel, uma brasileira que mora nos Estados Unidos e sonha conquistar o Green Card. Motivos parar rir é que não devem faltar, tanto na televisão quanto no cinema.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: