Bell é um dos nomes do movimento que tem a resistência como motor
Bell é um dos nomes do movimento que tem a resistência como motorFoto: Brenda Alcântara

Com o propósito de construir identidades sociopolíticas a partir do pensamento crítico de gênero e raça, valorizar o lado artístico feminino negro e desenvolver narrativas para formação e aprimoramento criativo desse público, o Festival "Resistência Poética - Slam das Minas do Nordeste" chega para mostrar a contribuição das mulheres negras na produção literária e poesia falada. A programação acontece entre os dias 14 e 16 de novembro, de forma gratuita, e pode ser acompanhada nas redes sociais do Slam das Minas PE (@slamdasminaspe).

Leia também:
Rapper Bione lança mixtape e se apresenta no Coquetel Molotov
Bell Puã aventura-se em novos versos
Rap de Bione e Lilo, do Slam das Minas, é destaque no Rec'n'play

Idealizado pelo Slam das Minas PE e aprovado no Fundo Brasil de Direitos Humanos, através do edital 70 Anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos 2019, a proposta do festival atua em dois eixos temáticos já trabalhados dentro do movimento Slam das Minas em todo o país: Direitos das Mulheres e Enfrentamento ao Racismo.

O evento traz atividades formativas como palestras, batalhas de Slam, oficinas e voluntariado, além de shows com grandes nomes do movimento Hip Hop local, como DJ Thaligeira , DJ Boneka, Banda Femigang e a cantora Rayssa Dias. 


Slam das Minas PE

Em Recife, o Slam nasceu em 2017, revolucionando a cena poética do Recife ao inaugurar um espaço de recital exclusivamente feminino. Mensalmente são realizadas batalhas de Slam em espaços públicos da cidade, uma porta de entrada que encaminha poetas para competições internacionais. Como aconteceu com a historiadora e poeta Bell Puã, ganhadora do Slam BR - Campeonato Brasileiro de Poesia Falada, de 2017, que a levou a Paris para competir com as melhores slammers do mundo.

Produzido originalmente por Amanta Timóteo e Naia França, hoje o time conta com oito poetas que ocupam programações de eventos em favelas e até nas universidades. Bell Puã, Joy Thamires, Mariana Ramos e Lilo são algumas das que apostaram na produção manual de zines (livretos caseiros) a possibilidade de espalhar ainda mais os versos que ilustram suas vivências pessoais. Hoje o movimento tem se expandido para o interior do estado, e cidades como Arcoverde, Belo Jardim e Caruaru já preparam suas poetas para disputa nacional que acontece em dezembro no Slam Poetry Br, em são Paulo.


PROGRAMAÇÃO COMPLETA

Quinta-feira (14/11)
19h, na Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (Fase):
Palestra: Mulheres Negras Construindo Narrativas de Luta com Nega Fya (BA,) Joy Thamires (PE) e Vera Baroni (PE)

Sexta-feira (15/11)
13h às 16h, na Livroteca Brincante do Pina:
Oficina Escrita Criativa e Poesia Falada com Adelaide Santos (PE)
Oficina performance na poesia com Bione (PE) e Lilo MC (ES)
Oficinas Rima com Cris Andrade (PE) e Oré (RN)

19h, na Livroteca Brincante do Pina:
Palestra: Mulheres Trans na Arte: Denúncias, Voz e Resistência com Stella (SE) e Nenna Callejera (PE), Cris Mun-há (PE)

22h, no Espaço Farol (Olinda):
Shows com DJ Thaligeira , DJ Boneka, Banda Femigang e a cantora Rayssa Dias

Sábado (16/11)
13h30 às 16h30, na Livroteca Brincante do Pina:
Oficina Para Djs, seletoras com DJ Rastafl4via (PE) e DJ Nenna Callejera (PE)
Oficina de Publicação Independente com Odailta Alves (PE) e Suh Amorim (PE)
Oficina de Elaboração de Projetos com Elaine Una (PE)

veja também

comentários

comece o dia bem informado: