Ambiente da exposição 'O que vou buscar no Sertão, solidão'
Ambiente da exposição 'O que vou buscar no Sertão, solidão'Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

As pinturas e instalações de Maria Queiroga, 29 anos, falam do Sertão do Nordeste com propriedade. Pois é lá que estão as raízes da família de sua mãe, a bailarina e coreógrafa Marisa Queiroga.

O Movimento Armorial e o legado de Ariano Suassuna - além dos poemas de João Cabral de Melo Neto e dos contos de Graciliano Ramos - também serviram de inspiração para a exposição "O que vou buscar no Sertão, solidão", que Maria inaugura hoje, às 19h, no Centro Cultural dos Correios, no Bairro do Recife (Avenida Marquês de Olinda, 262). A mostra fica em cartaz até 7 de dezembro.

O texto de apresentação da mostra é assinado por Raimundo Carrero. Além das artes visuais, Maria Queiroga também abraça a literatura, através da poesia. Em São Paulo, onde morou por dois anos e meio e ficou até agosto deste ano, a criadora participou de três exposições coletivas.

Leia também:
Galeria Massangana abriga exposição que traz a bandeira como símbolo de lutas
Tomie Ohtake revisitada em exposição no Recife
Exposição 'Carimbos', no Mamam, revela faceta menos conhecida do pernambucano José Cláudio
Obras de Antônio Poteiro são expostas na Caixa Cultural

"A cultura popular do Nordeste e elementos como as xilogravuras sempre estiveram presentes em meu trabalho. Minha mãe foi assessora de Ariano (Suassuna), criou um espetáculo na época e acompanhei todo este processo, cresci em meio aos textos e às obras dele", conta Maria, que é publicitária por formação e atua na área de marketing na Arte Plural Galeria, situada à Rua da Moeda, no Recife Antigo.

Leia aqui trecho do texto curatorial de Raimundo Carrero para a exposição de Maria Queiroga:

"Nova Força Armorial- Eis um nome para ficar: Maria Queiroga. Jovem e talentosa, inaugura, por assim dizer, a terceira geração armorial, com um trabalho vigoroso, forte e definitivo. Esta primeira exposição tem raízes muito fortes no imortal movimento de cultura brasileira através de manifestações populares recriadas pela pintura rupestre, pelas marcas de animais com o acréscimo de poemas sensíveis, bem elaborados, sem negar, todavia, a vinculação com João Cabral de Melo Neto e com Graciliano Ramos".

Ambiente da exposição 'O que vou buscar no Sertão, solidão'
Ambiente da exposição 'O que vou buscar no Sertão, solidão'Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco
Ambiente da exposição 'O que vou buscar no Sertão, solidão'
Ambiente da exposição 'O que vou buscar no Sertão, solidão'Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco
Pinturas de Maria Queiroga
Pinturas de Maria QueirogaFoto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco
Pinturas de Maria Queiroga
Pinturas de Maria QueirogaFoto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco
Exposição de Maria Queiroga
Exposição de Maria QueirogaFoto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

veja também

comentários

comece o dia bem informado: