MC Troinha, MC Elvis, Kelvis Duran e Michele Mello, no lançamento do documentário 'Capital do Brega'
MC Troinha, MC Elvis, Kelvis Duran e Michele Mello, no lançamento do documentário 'Capital do Brega'Foto: Thiago Britto/Folha de Pernambuco

O gênero musical mais popular das periferias pernambucanas, reconhecido, em 2017, como expressão cultural do Estado, é o tema do mais recente documentário produzido e exibido pelo canal pago de TV GloboNews. Com cerca de 50 minutos de duração, "Capital do Brega" vai ao ar neste sábado, às 15h30 (horário local), prometendo revelar ao restante do Brasil a trajetória de ascensão do ritmo e sua relação afetiva com o Recife.

O projeto é encabeçado pela repórter Wanessa Andrade, que assina a criação e produção do documentário com a editora da emissora, Renata Baldi. Ao longo do filme, o público acompanha a linha do tempo do ritmo, partindo do brega romântico de Reginaldo Rossi até chegar ao sucesso dos MCs do brega funk.

"Há um concurso interno na GloboNews que contempla vários temas. Eu propus falar sobre o brega porque é uma parte da cultura pernambucana que nem todo mundo conhece. Queria mostrar essa realidade tão próxima de quem vive aqui", conta a jornalista responsável pelo filme.

Leia também:
Filme retrata um Reginaldo Rossi além do universo do brega
“Explicando” é uma série documental para seduzir quem não curte documentários
Documentário pernambucano sobre forró será exibido no Rio de Janeiro


Composta por entrevistas e cenas de shows e clipes, a produção traz depoimentos de figuras que se destacam dentro da cena brega, como Michelle Melo, MC Loma e as Gêmeas Lacração, Kelvis Duran, MC Troinha e MC Elvis. Cada um conta um pouco de sua história profissional e de como o trabalho mudou suas vidas. "Uma importância que todos eles ressaltaram foi a transformação, a possibilidade de conquistar sonhos, e o tanto de emprego que o brega gera. Eles só queriam o reconhecimento oficial, que finalmente veio", aponta Wanessa.



"O mais importante é que o documentário revelou o brega em sua essência: a riqueza de um povo que está na periferia, sem perspectiva nenhuma e se descobre dentro do ritmo. É música que nasceu nas comunidades, que queriam falar sobre o seu dia a dia de uma maneira mais simplória. Divido essa alegria com toda a nação bregueira. Cada um de nós contribuiu um pouco para que o brega estivesse aqui, hoje, podendo falar internacionalmente sobre o nosso trabalho", comenta a cantora Michele Mello, que se emocionou ao ver a produção sendo exibida na telinha, durante o evento de lançamento, na última sexta-feira.

O filme revela também o mercado que existe e é movimentado ao redor da música brega. Por meio de entrevistas com empresários, produtores, estilista, influenciadores digitais e o dono de uma marca de camisetas que estampam bordões, a reportagem mostra que o ritmo também pode ser um negócio lucrativo.

A conversa com o pesquisador e jornalista Thiago Soares, autor do livro "Ninguém é perfeito e a vida é assim: a música brega em Pernambuco", traz o fundamento histórico e social da obra. No dia 24 de novembro, às 14h, o trabalho vai ao ar na TV aberta, na Globo Nordeste.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: