Ao juntar as composições dos três EPs, Claudio N monta um álbum em que será possível conhecer melhor diversas facetas musicais do artista
Ao juntar as composições dos três EPs, Claudio N monta um álbum em que será possível conhecer melhor diversas facetas musicais do artistaFoto: Divulgação

Nascido em Paulo Afonso, na Bahia, Claudio N mora no Recife há mais de 20 anos, onde compõe, toca, grava e canta. Da banda Chambaril, ele partiu para o projeto Nascinegro, e se destacou no cenário como músico compositor de trilhas sonoras, a partir da composição de faixas para filmes como “O Som ao Redor”, de Kleber Mendonça Filho, “Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo”, de Karim Aïnouz e “Amigos de Risco”, de Daniel Bandeira. Em outubro do ano passado, ele lançou o primeiro de uma série de EPs chamado "Claudio N & A Turma Do Deixa Disso", que já está disponível nas plataformas de streaming. Reunindo composições de 2003 a 2017, os outros dois álbuns devem ser lançados até abril.

As letras das músicas presentes nos EPs são ficcionais e não refletem experiências pessoais. “A música ‘Levei um Xêxo e Noiei’ fala de um calote mal resolvido de um japonês, mas eu nunca levei um calote de um japonês”, brincou Claudio. “Algumas situações eu romantizo, outras eu trato de forma irreverente, mas não são necessariamente vivências minhas”, complementou.



A mistura de referências presentes no álbum reúne nomes como Ween, Zé Ramalho, Pepeu Gomes, além de marcar a presença do rock progressivo. Claudio, que também é DJ, acompanha as mudanças de estilos musicais naturalmente, mas sentiu algo especial ao perceber a sua própria mudança.

Leia também:
Geladeiras que matam a fome (de leitura)
CD 'Rabeca brasileira' tem lançamento na Passadisco


“Gravar músicas antigas foi como revisitar o passado. São 14 anos de composições que refletem a minha mudança e a variação dos estilos que eu ouvi durante esse tempo”, completou. Ao juntar as composições dos três EPs, Claudio N monta um álbum em que será possível conhecer melhor diversas facetas musicais do artista. "A voz acompanha o gênero da música, e isso pode fazer algumas pessoas pensarem que é outra pessoa que está cantando, mas não é", ressaltou.

Apesar de estar com trabalhos em andamento até meados de abril, Cláudio já se planeja para novos desafios. “É como se eu estivesse desocupando uma gaveta. A partir do momento que eu gravo coisas antigas, abro espaço para novas composições. Pensando nisso, já estou me organizando para lançar, no segundo semestre, um LP, com todas as músicas dos três EPs mais três faixas bônus”, revelou.

O produtor, músico e compositor Carlos Montenegro assina a produção dos EPs, que foi viabilizado pelo Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura). O designer Raul Luna, que já assinou a identidade visual de artistas como Cadu Tenório, Tetine, M. Takara, Ayrton Montarroyos e o pianista Vitor Araújo, assina toda a concepção visual do álbum e dos EPs.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: