Letrux embalou noite de climão
Letrux embalou noite de climãoFoto: Fundarpe / Divulgação

Feminismo, críticas políticas e apresentações performáticas ditaram o tom da quarta noite do 29º Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), no Agreste de Pernambuco. Com a trégua dada pela chuva nesse domingo (21), o público pôde aproveitar melhor os shows de três artistas cheias de talento. Cada uma à sua maneira, Karina Buhr, Letrux e Céu conseguiram dominar o Palco Mestre Dominguinhos e arrematar os espectadores presentes.

Karina Buhr foi a segunda atração da noite, logo após a banda Neander, de Garanhuns. A cantora pernambucana, de 45 anos, levou para o palco o show do seu último disco, “Selvática”, cuja turnê está chegando ao fim. No próximo dia 26, sai o próximo álbum da artista, batizado de “Desmanche”. Após a apresentação, ela conversou com a imprensa sobre a importância do festival.

“O legal é essa coisa de juntar. Está todo mundo aqui, de manhã, de tarde e de noite, participando de oficinas, vendo coisas, comendo, bebendo. Tem gente que vem para ver o músico mais famoso, acaba conhecendo quem toca antes, e todo mundo sai falando. Então, acho muito importante”, apontou. Durante o show, ela cantou músicas de diferentes momentos da carreira, como “Eu sou um monstro” e “Copo de veneno”, que são dos discos “Selvática” (2015) e “Longe de onde” (2011), respectivamente.

Leia também:
Prêmio voltado para o circo é lançado no FIG
Na terceira noite do FIG, artistas saem em defesa do NordesteNa terceira noite do FIG, artistas saem em defesa do Nordeste

A carioca Letícia Novaes, mais conhecida como Letrux, Circulando com o seu primeiro disco solo, “Em Noite de Climão”, a carioca Letrux encantou com sua forte presença de palco e músicas cantadas como hinos pelos fãs, como “Ninguém perguntou por você”, “Noite estranha, geral sentiu” e “Vai render”. ”Acho que nesse disco eu consegui ser o mais sincera possível, me conectar com meu íntimo. Fui honesta, fui maluca. Fico feliz que as pessoas se emocionem com uma coisa com a qual eu também me emocionei”, disse a artista aos jornalistas.

Ainda durante a entrevista coletiva, Letrux sobre a predominância feminina da noite. “Cada vez mais, os festivais precisam colocar mulheres no line-up. Acho que as pessoas que não acompanharem a evolução natural - e em dívida - vão ficar para trás. Para mim é natural estar com a Karina e a Céu, mulheres no palco fazendo o seu melhor”, comentou.

Céu embala noite no FIG

Céu embala noite no FIG - Foto: Fundarpe / Divulgação

Finalizando a noite, a paulistana Céu entregou um show mais contemplativo e que faz um apanhado da sua trajetória musical. Celebrando 15 anos de carreira, a cantora passeou por alguns dos seus maiores sucessos, como “Malemolência”, “Lenda” e “Varanda suspensa”, além do repertório do projeto em homenagem a Bob Marley.

Falas políticas
Assim como no sábado, o teor político dominou os discursos das atrações principais. Falas contra Bolsonaro, vindas das artistas e da plateia, estiveram presentes a noite toda. Ainda repercutindo as declarações do presidente sobre os governadores do Nordeste, Letrux compartilhou com a plateia sua crítica. “É um crime a frase que ele disse na semana passada”, declarou. Já Céu se declarou uma “suldestina apaixonada pelo Nordeste”.

Em outro momento, Letrux estendeu no palco uma bandeira com o rosto do ex-presidente Lula, entregue por uma fã. “Só sendo escorpiano para passar por tudo o que ele tem passado”, afirmou, em referência à prisão do político. Gritos de “Lula Livre” e “Fora Bolsonaro” partiram da plateia em diferentes momentos do show.

Convidada por Karina Buhr, a poeta Bell Puã subiu ao palco para declamar o poema “Era uma vez um Brasil conservador”, mandando um claro recado. “Acho que ela tem tudo a ver com essas coisas que eu tenho para falar. Essa participação foi de última hora. Já conhecia o trabalho dela, mas só nos conhecemos ao vivo hoje. Quero repetir isso em outra oportunidade”, explicou Karina.

Noite de brega
Sem dar descanso para o público, o FIG retorna nesta segunda-feira (22), com programação extensa. Na Praça Mestre Dominguinhos, se apresentam Cafuringa e Banda, Kitara, Amigas do Brega e Priscila Senna, colocando a música brega na agenda do festival. Já o ator Matheus Nachtergaele encena o monólogo “Processo de conscerto do desejo”. Por conta da grande procura do público, a peça terá uma sessão extra. O espetáculo aporta no Teatro Luiz Souto Dourado, às 16h e 18h. Os ingressos são gratuitos e começam a ser distribuídos às 14h.

 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: