Folha Gastronômica

Lectícia Cavalcanti

ver colunas anteriores
Em seu livro, Graça Brennand cria receitas com sabores únicos
Em seu livro, Graça Brennand cria receitas com sabores únicosFoto: Divulgação

Este é um livro muito especial e precioso, que recebi da própria autora, Graça Brennand (tia Cita), uma das melhores cozinheiras do mundo. “Não co­nheço ninguém que cozinhe co­mo a minha avó” - diz Marí­lia, uma de suas netas, em depoimen­to no livro. Ali estão receitas de uma vida inteira. Que nos devolvem a um passado já distante. Que despertam lembranças de outros tempos. Um resgate afetivo de receitas e memórias reunidas, por seus filhos. Lembrei do caderno de receitas de minha avó Maria José. Tinha capa dura e folhas amareladas pelo tempo.

Todo escrito por ela, com aquela letra desenhada que as moças daquele tempo aprendiam em exercícios de caligrafia. Aquele caderno era o que havia de mais precioso, na sua cozinha. Nele, guardava segredos que só ela podia decifrar. Nas receitas anotadas, lembro como se fosse hoje, tantas vezes esquecia ingredientes importantes. Talvez fosse de propósito. Com dosagens pouco precisas - “um pires”, “uma cuia”, “um prato”, “um bocado”, “o quanto baste”. Ou vago, no modo de preparar - “mexa até que chegue no ponto”, “asse até que fique bom”. Os outros até poderiam não saber exatamente como preparar. Ela, não. Com aquelas receitas, fazia pratos que jamais esquecerei. Dia desses, tentei recuperar aquele caderno. Não consegui. Em compensação, recebi agora este livro de tia Cita. “É ali que estão os maiores segredos, os melhores aromas, os sabores da minha infância” - segundo Graça, outra de suas netas. É como se, de certa forma, eu afinal tivesse encontrado aquele velho caderno de receitas de minha avó.

As mesas de tia Cita são únicas. Reproduzindo seu estilo muito especial de ser. Com sua marca e seu jeito. Simples e generosa. Despojada e sofisticada. Arrojada e equilibrada. Contemporânea, mas sem esquecer raízes e tradição. Com tudo cuidadosamente planejado. Juntando elementos da terra e de suas muitas viagens. “Ela escolhe a toalha, a louça e as travessas, na sempre original arrumação da mesa, com flores do seu jardim, dando as boas vindas aos que chegam” - segundo uma de suas filhas. Cozinhar, para ela, é mais que reproduzir receitas. É uma forma de hospitalidade. Um jeito de juntar gente. Por compreender, muito cedo, que uma mesa compartilhada é um dos fundamentos da vida em família. Lugar onde se aprende a conversar. E, sobretudo, a repartir, ouvir, ceder a vez, administrar diferenças. Razão pela qual ela reúne todos - filhos, noras, genros, netos, maridos e mulheres dos netos, bisnetos, amigos. Em volta dela e de tio Ricardo. Sempre às segundas-feiras. E em todas as festas e aniversários. Para celebrar a própria epifania da vida.

Penso que se perguntar a tia Cita, Qual o lugar mais importante de sua casa? Ela, provavelmente, responderá: A cozinha! Por que, revelando a preferência por este lugar, revela também sua própria alma. Não é o espaço mais nobre e arrumado da casa, com certeza. Nem de longe parecendo com as salas de visita e de jantar. Cheias de peças lindas, quadros nas paredes e tapetes no chão. Mas aquela cozinha é, sobretudo, um lugar de aconchego. De alquimia. De transformação. De compar­tilhar. Em volta do fogo, ela cria receitas com sabores únicos. Inesque­­cíveis. Pelo simples prazer de agradar a todos. E sabe, exatamente, as preferências de cada um. Mas o que faz suas receitas, agora divul­gadas neste livro, diferentes de todas as outras, é que são sempre tem­peradas com pitadas de carinho, de afeto, de bem querer. Viva Tia Cita!

P.S. O livro está sendo vendido na loja do Instituto Ricardo Brennand. Com toda renda destinada à outra de suas grandes obras - a creche e educandário Nossa Senhora do Rosário.

Receita
Pavê de castanha (página 155)

Ingredientes

150g de açúcar
2 gemas
250g de manteiga
400g de biscoito Maisena
1 e ½ lata de creme de leite
100g de castanha torrada e moída
1 colher de café de essência de baunilha
1 lata de leite condensado

Preparo

Para fazer um doce de leite, cozinhe a lata de leite condensado por 1h45min e reserve

Bata o açúcar com a manteiga, acrescente as gemas e continue batendo até ficar branco. Adicione a essência de baunilha, a castanha moída e o creme de leite, misturando até ficar homogêneo. Reserve

Molhe levemente os biscoitos com um pouco de leite

Para a montagem: coloque num refratário uma camada de biscoitos e uma camada de creme e assim sucessivamente, terminado com uma camada de creme. Cubra o pavê com o doce de leite reservado e por cima jogue o crocante

*É especialista em gastronomia e escreve quinzenalmente neste espaço

veja também

comentários

comece o dia bem informado: