Betty Lacerda diz que desafio atual é digitalizar os dois milhões de itens que compõem o Cehibra
Betty Lacerda diz que desafio atual é digitalizar os dois milhões de itens que compõem o CehibraFoto: Brenda Alcântara/Arquivo Folha de Pernambuco

O Centro de Documentação e de Estudos da História Brasileira Rodrigo Mello Franco de Andrade (Cehibra) comemora nesta terça (03) seus 45 anos de existência. Ligado à Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), o Cehibra atualmente conta com mais de dois milhões de documentos, entre fotografias, filmes, textos, filmes, obras de arte e outros acervos de vários tipos. "Só na Biblioteca Blanche Knopf temos mais de 130 mil volumes, entre livros, periódicos e obras raras", aponta Betty Lacerda, que é coordenadora geral do Cehibra.

O centro de documentação foi criado em 1974, após anos de discussões entre Gilberto Freyre e Rodrigo Mello Franco de Andrade, que acabou falecendo no percurso e dando nome ao novo departamento. O pontapé inicial da coleção foi a doação de 200 mil conjuntos de microfilmes feita pelo neto de Joaquim Nabuco, José Thomaz Nabuco, os quais infelizmente foram perdidos durante a cheia de 1975.

Desde então, o Cehibra recebeu acervos importantíssimos de intelectuais como Josué de Castro, Mauro Mota, Katarina Real, Mário Sette e J. Soares, além do próprio Joaquim Nabuco. "Alguns foram adquiridos por doação, como o acervo do Museu do Açúcar, desativado em 1977 e composto por fotografias, gravuras do período holandês e outros itens. Outros, foram comprados", relata Betty.

Leia também:
Fundaj celebra 70 anos de história e contribuições
Fundação Joaquim Nabuco guarda acervo visual precioso
Fundaj recebe documentação indispensável para a memória do candomblé

O acervo do Cehibra é bastante utilizado por pesquisadores de todos os níveis, da escola primária à pós-graduação universitária. Mas a ideia é ampliar o acesso às obras. "Nosso desafio atualmente é digitalizar nosso acervo", conta Betty. Mais de 700 mil itens já foram digitalizados, mas nem todos podem ser disponibilizados online por conta de direitos autorais. A digitalização, contudo, vem facilitando bastante as consultas presenciais, especialmente no caso das obras raras, que têm restrições em seu manuseio.

Para comemorar a existência do Cehibra, a Fundaj realiza nesta terça (03) um seminário, na rua Henrique Dias, 609, Derby. Haverá homenagens a Joselice Jucá, a primeira coordenadora do centro, e ao também ex-coordenador Manoel Correia de Andrade, ambos já falecidos, entre outros nomes que já estiveram à frente do departamento (que é composto por um centro de documentação, um laboratório de conservação e restauração e uma biblioteca). Além das homenagens, haverá exibição de vídeos com depoimentos, palestra e mesa redonda. Confira abaixo detalhes sobre a programação.

Programação das comemorações dos 45 anos do Cehibra

Programação das comemorações dos 45 anos do Cehibra - Crédito: Divulgação

 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: