O Ministério da Cultura habilitou entidades do setor audiovisual a arrecadarem taxas de direitos autorais de diretores, roteiristas e atores
O Ministério da Cultura habilitou entidades do setor audiovisual a arrecadarem taxas de direitos autorais de diretores, roteiristas e atoresFoto: Divulgação/Ministério da Cultura

O Ministério da Cultura habilitou entidades do setor audiovisual a arrecadarem taxas de direitos autorais de diretores, roteiristas e atores. A decisão, que segue a lei dos Direitos Autorais, regulamentada há três anos, foi publicada nesta segunda (3) no Diário Oficial da União.

A arrecadação de direitos autorais só era feita na música até então, por meio do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), mas há muito vem sendo pleiteada pelo setor audiovisual.

Há alguns meses, um manifesto entregue ao ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, juntou 356 assinaturas a favor da causa. Há nomes de peso na TV Globo, como Glória Pires, Carolina Ferraz, Paloma Duarte - presidente e vice-presidentes, respectivamente, da associação dos atores, a Interartis -, Regina Duarte, Paulo Betti, Thiago Lacerda e o diretor Jayme Monjardim, além dos cineastas Cacá Diegues, Walter Salles, Fernando Meirelles e José Padilha.

Leia também:
Após Rouanet aumentar teto, Minc aprova valor de R$ 28,6 mi para montagem de 'O Fantasma da Ópera'
Parlamento Europeu aprova norma sobre direitos autorais na internet
Ministério da Cultura libera R$ 705 milhões para audiovisual
FestCine, que começa nesta segunda, é janela para o cinema pernambucano


Hoje o Brasil tem a mesma prática dos Estados Unidos, na qual as produtoras compram direitos dos criadores da indústria audiovisual. O modo que se quer introduzir por aqui, crescente na Europa e na América Latina, é o da cobrança de remuneração adicional pela exibição. Isso significa que, quanto mais um produto audiovisual é visto, mais seus autores recebem - é como quando o escritor ganha porcentagem por exemplar vendido.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: