Viúva no velório de Gugu Liberato
Viúva no velório de Gugu LiberatoFoto: Edu Garcia/R7

No texto intitulado "Rose Di Matteo, ser gay não é desonra para ninguém", publicado na tarde deste sábado (8), Tony Goes, deu sua opinião a respeito de uma declaração feita por Rose Miriam Di Matteo, que briga na justiça pelo direito de ser reconhecida como viúva de Gugu.

O colunista do F5 expressou sua indignação com a reação da mãe dos três filhos do apresentador morto em novembro de 2019, após foto de um suposto namorado de Liberato ser divulgada pelo colunista Leo Dias. Por meio de seus advogados, ela disse que vai processar quem chamar Gugu de gay e "manchar sua honra". Para Tony, Rose foi "homofóbica em sua infeliz declaração".

Diante disso, o advogado de Rose, Nelson Wilians, resolveu se posicionar por meio de uma carta aberta, na qual nega que sua cliente seja preconceituosa. Abaixo segue a íntegra da resposta, sob o título "A luta de Rose Miriam é por direitos constitucionais e pela preservação da memória de Gugu Liberato".

Leia também:
Viúva de Gugu diz que vai processar quem disser que o apresentador é gay e manchar sua honra
Gugu Liberato e Rose nunca tiveram nada um com o outro, diz mãe do apresentador
Após acidente, Gugu Liberato morre aos 60 anos


"Rose Miriam Di Matteo trava uma luta. Uma luta que deveria estar resguardada pela inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem, direito fundamental constitucionalmente assegurado, já que o reconhecimento da inequívoca união estável que manteve com Gugu Liberato –seu saudoso companheiro por quase duas décadas e pai de seus três filhos –deveria se manter dentro do sagrado e insondável seio de sua família.

Todavia, por se tratar o saudoso apresentador de pessoa pública, viu-se Rose – ainda atordoada e em meio a dor do abrupto e trágico acidente que vitimou fatalmente seu parceiro – envolvida em uma situação dantesca, exposta na mídia e no meio social, considerada oportunista e mentirosa.

A publicização da dor de Rose, porém, nos mostra que a sua luta não é individual, em absoluto. Rose representa, nesse momento, todas as mulheres brasileiras que, assim como ela, abriram mão de suas profissões (no caso, a medicina) para dedicarem uma vida inteira a seus companheiros e filhos.

Trata-se, na verdade, da defesa da instituição da família, reconhecida na Constituição como a base da nossa sociedade, possuindo caráter multifacetário e podendo se constituir sob muitas formas, inclusive por meio da união estável, como no caso concreto, e entre pessoas do mesmo sexo, restando há muito superado o conceito tradicional e ortodoxo de casamento.

Nesse contexto, os que acenam, desavisadamente, que a bandeira de Rose tangenciaria, de modo ofensivo, os direitos dos homossexuais, olvidam que ambos possuem uma base comum fortíssima.

Rose sustenta seu legítimo pleito no valor constitucional da dignidade da pessoa humana, no reconhecimento, pelo Supremo Tribunal Federal, do pluralismo das famílias – inclusive na histórica decisão que assegurou a união estável homoafetiva –e nos Princípios de Yogyakarta, adotados pela Comissão de Direitos do Homem da ONU, que trata da aplicação da legislação internacional de direitos humanos em relação à orientação sexual e identidade de gênero, assegurando a todos o direito de constituir família.

Assim, em sua luta – a mesma de inúmeras e anônimas mulheres, companheiras e parceiras de vida, a mesma de todos, independentemente de orientação sexual, que apenas desejam ser felizes, formar suas próprias famílias e criar seus filhos – Rose, em absoluto, não acena com preconceitos, muito menos desrespeita a quem quer que seja, o que seria um contrassenso de uma pessoa que está sendo diariamente ofendida, atacada e, por vezes humilhada, sem qualquer razão para tanto.

O que Rose não abre mão, na verdade, é de lutar por direitos que não são apenas seus, mas de toda a família brasileira, qualquer que seja a sua forma, bem como de preservar a memória do seu amado companheiro Gugu Liberato contra ataques gratuitos, os quais, no fundo, não têm por objetivo questionar sua eventual orientação sexual (orientação essa sagrada e assegurada pela Constituição e pelo STF), mas sim, de forma maliciosa e maldosa, desestabilizar ainda mais a família nesse momento tão delicado".

Nelson Wilians, advogado de Rose Miriam.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: