Pascale Casanova morreu aos 59 anos, de causa desconhecida
Pascale Casanova morreu aos 59 anos, de causa desconhecidaFoto: Flickr

Morreu no último sábado (29) a crítica de literatura francesa Pascale Casanova, aos 59 anos. A causa da morte não foi especificada. Segundo o Institute for World Literature da universidade Harvard, Casanova lutava contra uma doença incurável havia dez anos. odos os trabalhos da autora lidam com a questão da dominação linguística. Casanova argumentava que "nacionalismo literário" era uma forma de literaturas dominadas lutarem contra a dominação no espaço internacional literário.

Casanova é autora de "A República Mundial das Letras" (440 págs., Estação Liberdade, R$ 39,90), em que a autora descreve o surgimento e desenvolvimento de um espaço literário internacional e autônomo, em oposição à instrumentalização da literatura para a construção de identidades internacionais.

Leia também:
Literatura de cordel vira patrimônio cultural do Brasil
Governo estuda proposta para regulação do comércio de livros
Rede pública receberá livros literários a partir de 2019
Morre o cantor Charles Aznavour aos 94 anos
Cantora Angela Maria morre em São Paulo, aos 89 anos


Nesse espaço, há relações de poder desiguais entre as diferentes culturas, dependendo de seu "capital literário" -que pode ser medido a partir do número de obras que entraram para o cânone literário mundial.

As culturas mais antigas e mais bem estabelecidas, portanto, levam vantagens nessa medida: a francesa, a inglesa, a alemã e a russa. Em seu último trabalho, "La Langue mondiale - Traduction et domination" (144 págs., Le Seuil, "A Língua Mundial - Tradução e Dominação), de 2015, Pascale analisa o papel da tradução como uma arma contra a dominação e como uma forma de acumulação simbólica de capital. Antes de se dedicar inteiramente à academia, Pascale foi uma das críticas literárias mais ativas da mídia francesa.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: