Sambistas comemoram Dia Nacional do Samba há 20 anos, no Pátio de São Pedro
Sambistas comemoram Dia Nacional do Samba há 20 anos, no Pátio de São PedroFoto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

Fruto da mistura de sonoridades herdadas do povo africano, o samba nasceu entre os escravos na Bahia. Mas foi nos quintais do Rio de Janeiro, no final do século 19, que um dos mais emblemáticos ritmos brasileiros se consolidou e começou a ganhar a forma que tem nos dias de hoje. O gênero musical também conquistou a simpatia dos recifenses. É tanto que o Dia Municipal do Samba faz parte do calendário oficial da cidade desde 2012, através de uma lei promulgada na câmara dos vereadores. Em consonância com a data nacional, a comemoração ocorre hoje e terá uma programação especial no Recife.

A celebração mais tradicional é realizada no Pátio de São Pedro, no bairro de Santo Antônio. Há duas décadas, sambistas pernambucanos se reúnem no local para marcar a data com uma grande festa. Através da luta desses artistas que a comemoração foi oficializada. "As autoridades passaram a ter mais respeito pelo samba, porque viram que o evento crescia a cada ano", afirma Belo Xis, que, neste ano, foi um dos homenageados do Carnaval do Recife, ao lado da cantora Gerlane Lops.

Além de Belo Xis, a partir das 19h, sobem ao palco Wellington do Pandeiro, Carla Rio, Ramos Silva, Ana Xis, Luíza Pérola, Ely Peroais, Leno Simpatia, Cibely Alves, Gracinha do Samba, entre outros. "Durante esses 20 anos, apareceram mais artistas, grupos e blocos de samba. Tudo essa turma nova a gente está agregando ao projeto. É uma festa grande, para comemorar bem a data", destaca Wellington.

Leia também:
Xande de Pilares: “O samba para mim é uma coisa sagrada”
Elton Medeiros, compositor de clássicos do samba, morre no Rio


Arnaldo Barros, apresentador dos shows há 15 anos, conta que o perfil do público também mudou. "Quando chegamos no Pátio, vemos os bares todos lotados e com pessoas de diferentes classes sociais. O fluxo de turistas também é enorme, por ser um evento aberto ao público e ficar numa área muito simbólica para o Recife", defende.

O músico Ademir Araújo, o Maestro Formiga, será o homenageado desta edição. "Com tantos sambistas que a gente poderia reverenciar, escolhemos um mestre do frevo para retribuir o carinho que tiveram conosco no Carnaval. Além disso, Ademir tem raízes no nosso ritmo samba. Foi sambista e já tocou, inclusive, na escola Gigantes do Samba", justifica Belo Xis.

No mesmo dia, às 17h, o Pagode do Didi, também no bairro de Santo Antônio, recebe nomes como Gerlane Gell, Cris Galvão, Taiguara Borges e Grupo Terra. O evento vai homenagear Vlademir Ferreira, o Didi, que é Patrimônio Vivo de Pernambuco e proprietário do espaço, que funciona desde 1981 no local e é considerado o Quartel General do Samba na terra do frevo.

Na Câmara Municipal do Recife, às 18h, a data será comemorada com uma sessão solene convocada pelo vereador Hélio Guabiraba. Escolas de samba, agremiações, bandas e vários artistas, como Belo Xis, Wellington do Pandeiro, Bia Villa-Chan, Carla Rio, Dinah serão homenageados pela casa. Após um ano de agenda lotada, Gerlane Lops está descansando fora do País, mas mandará um representante para a solenidade.

"Mesmo de longe, eu vou mandar um axé. Fico muito feliz com tantas reverências aos nossas sambistas. Isso só mostra como esse nosso movimento tem sido importante", comenta a artista, que gravou seu segundo DVD ontem, no Forte das Cinco Pontas.

veja também

comentários

colabore com a folha

comece o dia bem informado: