Drik diz que ainda falta incentivo - do setor de divulgação e do público
Drik diz que ainda falta incentivo - do setor de divulgação e do públicoFoto: Bruno Trindade/Divulgação

Beyoncé, Nicki Minaj, Doja Cat e Megan The Stallion fizeram história no rap feminino nas últimas semanas. Os remixes das músicas “Say So” e “Savage” as colocaram no topo da Billboard HOT 100, principal parada musical dos Estados Unidos, sendo as primeiras quatro mulheres negras a ocupar, simultaneamente, as duas primeiras colocações, e a única colaboração feminina de rap a conquistar tal feito em quase 50 anos de cultura hip hop. O fato interrompe uma série de barreiras da indústria musical americana que, nos últimos anos, vem boicotando negros em premiações e desprivilegiando o trabalho feminino na música.

Enquanto as afro-americanas estão ocupando, aos poucos, os espaços de poder no gênero, as rappers brasileiras ainda enfrentam desafios maiores na indústria. Machismo do público e da produção, falta de investimentos do setor e descredibilização do trabalho de mulheres são alguns dos percalços encontrados por elas. “A forma como se consome música lá é diferente (EUA), a forma como o entretenimento é valorizado é uma outra coisa. E mulheres pretas incríveis, que eu admiro muito o trabalho, chegar ao topo das paradas em 2020 e ainda ser uma surpresa, quando deveriam ter conquistado há mais tempo”, questiona a rapper paulista Drik Barbosa.

 

FALTA INCENTIVO

A artista, que é filha de mãe pernambucana e pai baiano, debutou com o seu primeiro disco, “Drik Barbosa”, aos 27 anos, em 2019. Embora tenha tido boa recepção de crítica e de público - apareceu em várias listas de melhores álbuns brasileiros de 2019 -, ela diz que falta mais incentivo do público e do setor na divulgação. “A forma como rap vem sendo consumido tem mudado, como as pessoas têm valorizado o rap, mas para as mulheres pretas é mais difícil. Sempre comparam nossos trabalhos com os dos homens - embora tenhamos trabalhos incríveis -, nos colocam pra baixo e sinto também que as pessoas não nos divulgam tanto, apesar de gostar muitas vezes do que a gente faz”, afirma Drik.

A mesma percepção é apontada por Ororo, nome artístico da cantora pernambucana Lorenna Brito. Desde julho do ano passado, ela lançou cinco músicas pelo selo independente HoodCave, e percebe as diferenças entre o tratamento dado entre mulheres e homens na cena hip hop local. “Eu percebo que os homens abraçam homens. Para nós, mulheres, eu sinto que é mais difícil para as pessoas abraçarem. Uma outra coisa é que as produtoras imaginam que a gente fazer show é só por visibilidade e muita gente não quer pagar mas, na verdade, estamos fazendo um investimento”, afirma a artista, que mistura referências que vão de Rihanna, do R&b, a Priscila Senna, do brega pernambucano.

 

Ororo acredita que o crescimento das rappers negras no mercado de fora pode ajudar nas artistas locais. “Eu me inspiro muito no trabalho delas. Doja é uma das minhas referências, inclusive, e acredito que o crescimento dessas mulheres pode ajudar a gente aqui, já que há uma influência grande até na música local, como o brega”, explica a artista, que vai lançar a música “Toque do Celular” no próximo dia 13 de junho.

Pernambuco

Outro desafio é a xenofobia, como traz a pernambucana, de Triunfo (Sertão do Estado), Jéssica Caitano. “Nós aqui do Estado, além de todas as invisibilidades que sofremos, ainda somos nordestinas, né? Carregamos aí a xenofobia além das demais mazelas; existe um espaço e uma atenção que é negada para nós mulheres, e isso é historicamente e cultural. Sabemos que há em todos os espaços, e no rap é só mais um”, conta a rapper, e também integrante do projeto Radiola Serra Alta, que conquistou o público pernambucano em festivais, como o Rec Beat.

Apesar das dificuldades, Jéssica conta que o Radiola vinha de uma rotina de shows no período que antecedeu a pandemia. “A relação com o público é linda, a galera que já cata o som e o corre cola mesmo. Canta junto, tem uma interação, galera do Nordeste que mora em outros estados pelo Brasil chega também. Há vários tipos de público no rap, assim como tem vários tipos de público em todos os outros estilos e segmentos musicais”, diz a artista, que mistura coco, embolada e eletrônico.

Drik diz que ainda falta incentivo - do setor de divulgação e do público
Drik diz que ainda falta incentivo - do setor de divulgação e do públicoFoto: Bruno Trindade/Divulgação
Ororo é uma das representantes da cena em Pernambuco
Ororo é uma das representantes da cena em PernambucoFoto: Tales Pedrosa/Divulgação
Jéssica Caitano, de Triunfo, aponta que xenofobia é histórica e cultural
Jéssica Caitano, de Triunfo, aponta que xenofobia é histórica e culturalFoto: Divulgação

veja também

comentários

comece o dia bem informado: