Omelete de frango com salada
Omelete de frango com saladaFoto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Um prato colorido de vegetais em contraste com uma proteína já não consegue ostentar sozinho o rótulo de ‘pedida mais saudável do momento’. Nem mesmo o esforço de variá-lo impediu que esse título se repartisse em outros. Até mais do que se imagina. “Culpa” desse aumento no acesso à informação, que, hoje, torna o conceito de saudabilidadade a base para tantos novos formatos surgirem no cardápio, enquanto o bom e velho mix de folhas tem seus dias de divã.

É que os tempos estão mudando e a cabeça de muita gente também. Prova disso é aquele amigo ou parente, que sempre perguntava quais ingredientes entravam num preparo, atento à origem de cada um, deixou de ser o inconveniente da ocasião para se tornar alguém atento à saúde. Agora parece feio não se preocupar com a alimentação. Pessoas que também cobram novas receitas e, assim, ajudam a manter o Brasil na quinta posição entre os que mais vendem comida e bebida saudável, segundo pesquisa divulgada este ano pela Euromonitor Internacional. O mesmo levantamento dá ainda a estimativa otimista de que o mercado nacional de produtos desse tipo cresça 4,4% até 2021.

“Já que o consumidor despertou, o comércio precisou correr para atender à demanda”, diz a farmacêutica e proprietária do Bistrô Funcional, Lucinda Eulália, que, há três anos, fornece marmitas saudáveis para quem segue uma reeducação específica. “O público passou a ver a comida também pela ótica do benefício. Então gosto de lembrar, por exemplo, que um profissional em um dia inteiro em grande atividade mental precisará repor os nutrientes do cérebro com o ômega 3 presente na carne branca”, destaca. Sendo assim, no seu cardápio de entrega a boa e velha salada está lá, agora orgânica, livre de agrotóxicos, mas também acompanhada por grãos e proteínas com temperos naturais. Tudo pensando na tal funcionalidade benéfica ao metabolismo, como domar o colesterol, reconstruir as células do organismo ou simplesmente facilitar o processo digestivo.

Nem mesmo a pressa de emendar uma atividade física no meio do dia é motivo para negligenciar a alimentação consciente. Onde antes era sinônimo de cápsulas para consumo pré e pós-treino, agora é lugar da chamada gastronomia fit mostrar a que veio. É como escolher uma empada com massa de batata-doce e recheio de frango, assada no forno, e saber que ela faz a reposição ideal de carboidrato (energia) e proteína para o corpo em dias de atividade intensa (R$ 9,50). Sai aos montes no Mr. Green Good Food, que abriu no meio do ano no terraço da academia Oka Gym, na Tamarineira. “E logo os clientes compraram a ideia com um nível de exigência ainda maior, curiosos sobre o porcioamento dos ingredientes e no modo de preparo como um todo”, diz a gerente Andréa Ático. Até mesmo para um docinho que atraia olhares no balcão, a frase mais dita por minuto dava conta de que “ele foi feito da redução do próprio leite sem lactose”. Um contraponto ao brigadeiro de biomassa de banana verde, adorado por uns e odiado por outros. Em detalhes, significa que a bolinha de chocolate fornecida pela Pitada Fit tem açúcar demerara orgânico, cacau 100%, extrato de baunilha e nenhuma colher de manteiga ou leite condensado. Segue firme e forte ao lado de omeletes, crepiocas, sucos naturais, açaí e até um gratin de macaxeira e frango com ares de refeição completa.

Empada com massa de batata-doce

Empada com massa de batata-doce - Crédito: Ed Machado/Folha de Pernambuco



Para a personal trainer e gerente geral da Oka Gym, Amanda Rodrigues, essa é uma evolução natural para receber quem chega com certa bagagem de informação. “Muitos já treinam com um cardápio prescrito pelo nutricionista, sendo aqui o nosso público é 60% feminino, e a maioria entre 35 e 60 anos”, aponta ao lembrar o amadurecimento dos alunos.


Base nutricional

Mas com tanta informação disponível, saber separar o joio do trigo é atitude de primeira necessidade, segundo profissionais de saúde. Que o diga a polêmica do glúten - proteína encontrada em cereais como o trigo -, que vem saindo drasticamente do cardápio de quem foca apenas no emagrecimento. “Ainda não há comprovação científica de que essa exclusão seja, de fato, benéfica, para quem não tem a doença celíaca e a dificuldade de processar o glúten”, pondera o especialista em nutrologia e performance esportiva, Rafael Coelho. Além do mais, em termos de troca, algumas receitas sem a tal proteína são equivalentes caloricamente ao tradicional. O que faz o indivíduo trocar seis por meia dúzia.

A dúvida também recai sobre o estilo de vida de quem adota hábitos veganos ou vegetarianos. Eles estariam um passo a frente no quesito saúde? “Não necessariamente. Vegetarianos seguem uma dieta baseada exclusivamente em alimentos de origem vegetal, enquanto veganos não consomem nada de origem animal, alimentos, roupas etc. Porém, ambos podem consumir fast foods, bebidas alcoólicas e refrigerantes, hábitos que em nada são saudáveis”, reforça a nutricionista Hallina Hayalla. “Uma alimentação realmente saudável é aquela que consegue fornecer o aporte necessário de nutrientes para gerar energia, prevenir doenças, promover qualidade de vida e fazer com que nosso corpo funcione adequadamente”, acrescenta.

De acordo com a pesquisa “Tendências Mundiais de Alimentação e Bebidas 2017”, da Mintel, pelo menos 24% dos brasileiros colocariam, por exemplo, mais grãos integrais no seu cardápio, atentos à sua funcionalidade, se soubessem como utilizá-los na cozinha. Um incentivo e tanto para o restaurante Greenmix - Mercado Saudável expandir a atuação com pratos que dão outras percepções ao paladar. Já ouviu falar, por exemplo, num tubérculo chamado konjac? Ele estampa a nossa foto de capa e é servido nas unidades de Boa Viagem e Graças na forma e textura semelhante a um risoto. “A massa é feita da raiz do konjac, que tem baixo índice glicêmico, zero glúten, carboidratos, sódio, açúcar e gordura”, explica a chef e sócia da marca, Mariana Dias, que ainda lembra o toque de filé mignon e aspargos finalizados com cebola caramelizada - sem açúcar-, e amêndoas laminadas (R$ 42). A pedida integra o novo cardápio low carb montado para quem quantifica a ingestão de carboidratos. Já na lista dos mais pedidos, o filé à parmegiana é assado e sai envolvido por um mix de farinhas funcionais, acompanhado de batata-doce (R$ 41,90).


Com a ajuda do delivery:

Manon

A alta gastronomia inspirou a equipe do Manon a produzir um cardápio que vai além do óbvio quando o assunto é pedida saudável. Isso inclui refeições completas, salgados e sobremesas que erguem a bandeira de sustentabilidade e bem-estar. Leia-se alimentos aproveitados por inteiro com o auxílio de um ultracongelador que preserva o alimento, sem criar cristais de gelo. Na lista de pratos vegetarianos não deixe de experimentar o burguer de berinjela mais feijão verde e couscous de quinho (R$ 21,90). O delivery atende no esquema de agendamento, de segunda a sexta, e as entregas são realizadas em até 48h. Pedidos: www.manonsaudavel.com.br ou 99255.8130.

Very

No quesito economia de tempo, a marca trabalha com opções prontas para levar no estilo fast-food saudável. Os pratos são divididos entre petiscos, linhas fit e comfort de olho nos que querem controlar direitinho as calorias. Isso, sem falar nas ofertas de molhos, sopas e pratos para dividir em família. No cardápio da semana há o Very do Dia, com o prato em torno de R$ 19, a exemplo do filé ao molho madeira com arroz à grega. Pedidos: 3125.4779 / 98284.0525 ou iFood.  

 

Mini menu

Dúvidas na preparação de um menu infantil? Pois desde 2014 a Mini Menu faz marmitas com ingredientes que podem entrar aos poucos na rotina da criança. São alimentos como raízes, legumes e frutinhas orgânicas que originam pratos em cinco modalidades, que vão de creminhos até refeições inteiras, livres de conservantes ou adição de açúcares. O pessoal produz no bairro da Imbiribeira, na av. Mascarenhas de Morais e os pedidos podem ser feitos de segunda a sexta, das 8h às 18h. Pedidos: www.minimenu.com.br / 98153.3436.

D’Leve

Os pratos já bem conhecidos das unidades físicas da D’Leve também saem para entrega. O cardápio inclui saladas para todos os gostos, além de crepes, sanduíches, sucos e até hambúrguer light. Um deles leva carne grelhada, queijo minas, alface, tomate cenoura e molho especial entre duas fatias de pão bola. A taxa de entrega sai em torno de R$ 9, além do custo da embalagem. Pedidos: Zona Norte: 3301.6568 / Zona Sul: 3034.5222

Bistrô Funcional

Quem gosta do bom e velho PF pode turbinar a pedida com ingredientes funcionais que agirão como termogênicos ou melhorar a flora intestinal. São os pratos produzidos de segunda a sábado no Bistrô Funcional, por R$ 27,90, que são entregues em toda Região Metropolitana do Recife. Ainda sai pão caseiro, sem glúten e lactose, à base de batata-doce e gergelim, além de bolo de cacau feito com farinhas funcionais e açúcar demerara. Pedidos: 99812.6794

 

 

Omelete de frango com salada
Omelete de frango com saladaFoto: Ed Machado/Folha de Pernambuco
Gratin de macaxeira
Gratin de macaxeiraFoto: Ed Machado/Folha de Pernambuco
Brigadeiro fit
Brigadeiro fitFoto: Ed Machado/Folha de Pernambuco
Risoto de konjac
Risoto de konjacFoto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

veja também

comentários

comece o dia bem informado: