Paella ganhou versão nordestina, para três, leva charque e frutos do mar
Paella ganhou versão nordestina, para três, leva charque e frutos do marFoto: Wagner Ramos/Divulgação

A distância, do ponto de vista de quem está no Centro do Recife ou nos bairros da Zona Sul, poderia ser um problema para o restaurante Castelus, que ocupa uma imponente construção no conjunto arquitetônico do Instituto Ricardo Brennand, na Várzea.

Entretanto, a rotina da casa é de fila de espera e salão cheio. E não somente de turistas a passeio pelo IRB. Boa parte da clientela é de recifenses vindos de vários pontos da Capital.

Desde a inauguração, a cozinha do Castelus congrega duas vertentes: pratos com pegada regional e receitas mais internacionalizadas, digamos assim. Mas, contrariando o histórico gastronômico da casa, o chef e gestor da casa, Abdo Vila Nova, vem apostando numa vocação mais brasileira do restaurante.

Prova disso é a última virada de cardápio - com muitos ingredientes conhecidos da cozinha nacional. É o caso da coxinha de charque feita com massa de feijão verde e fonduta de queijo de coalho (R$ 34/porção) e do pastel de chambaril (R$ 9).

O kit “Texturas de Queijos do Nordeste com Embutidos Ecológicos” é uma boa pedida pra matar o tempo enquanto o prato principal não fica pronto. Para compartilhar, a entrada tem noisette de coalho com geleia de pimentões, queijo de cabra paraibano com gel de maracujá, queijo de manteiga selado com teriyaki de mel de engenho, salame e presunto curado, que pode ser servida com pão caseiro ou chips de batata-doce. Sai a R$ 66.

A paella recifense, para três pessoas (R$ 148), faz bonito à vista e no paladar: é montada com charque refogado, cordeiro, mexilhões, lula, marisco, camarão, pernil de lagosta e frango, cozidos na água e no leite de coco, com arroz, açafrão, pimenta de cheiro e lascas de coco verde natural.

Tipo de comida com grandes chances de agradar o conviva que aprecia receitas com muitos ingredientes.

Nas sobremesas, as surpresas ficam por conta do Pomar de Chocolate (R$ 26). Um grande bombom de chocolate com camadas de ganache meio amargo, acompanhado de creme de cupuaçu, toffee de cajá, doce de acerola e folhas aromatizadas de chocolate, tudo isso sob terrinha negra de biscoito.

Entre as sobremesas, mais tropicalidade e regionalismos. Não hesite em pedir o arroz-doce da casa. São três tipos de arroz em texturas diferentes (arroz-doce arbóreo, torresmo de arroz japonês com canela e pipoca de arroz negro), acompanhado de sorvete de doce de leite.

Leia também
Novo empório tem queijos da família Suassuna
Trinta anos do chambaril para comer "de colher"


A indiscutível cartola é preparada com caju em vez da banana (R$ 25), fatiado e grelhado, servido sob queijo de manteiga com casquinha quente, doce de caju, farofa de castanha com canela e sorvete de castanha.


SERVIÇO
Restaurante Castelus
Endereço: rua Mário Campelo, 700, Várzea
Informações: 99201.9787

veja também

comentários

comece o dia bem informado: