Procon-PE acompanha venda de ingressos para o show de Sandy e Júnior no Classic Hall
Procon-PE acompanha venda de ingressos para o show de Sandy e Júnior no Classic HallFoto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

As vendas dos ingressos para o show de Sandy e Júnior em Pernambuco foram suspensas por cerca de duas horas, nesta sexta-feira (22) pelo Programa de Orientação e Proteção ao Consumidor (Procon-PE) por causa da falta de ingressos para oferecer ao público.

Os fãs da dupla, que marcaram presença na bilheteria desde a noite anterior, foram surpreendidos pela presença de funcionários do Procon-PE na manhã desta sexta-feira (22), no Classic Hall, em Olinda. A suspensão, determinada pelo órgão do consumidor, ocorreu poucos minutos depois da abertura da bilheteria, às 10h.

O Classic Hall enfrentou problemas com a enorme demanda, não conseguindo atender a todos os consumidores, o que levou a equipe a suspender as vendas temporariamente porque não havia ingressos todas as modalidades. O Procon permaneceu no local, que retomou a venda cerca de duas horas, quase ao meio-dia.

Os ingressos para a pista estão sendo vendido por R$ 160 (R$ 80 meia). Para o frontstage, o valor é R$ 340 (R$ 170 meia). Quem optar pelo camarote, que acomoda dez pessoas, vai precisar desembolsar R$ 3.200. O limite de ingressos para cada comprador são seis, podendo ser quatro inteiras e duas meias.

Ao longo da manhã, o Classic Hall também foi alvo de investigação do Procon-PE,  após nota técnica divulgada reconhecendo a ilegalidade da cobrança de taxas de conveniência na venda de ingressos pela internet. O show está previsto para o dia 12 de julho e será a abertura da turnê "Nossa História". 

Leia também:
Sandy e Junior anunciam shows extras em dois Estados
Fãs já formam fila no Recife para comprar ingressos para Sandy e Junior
Em menos de uma hora, ingressos de primeiro lote para o show de Sandy e Júnior esgotam no Recife
Taxa de conveniência na venda de ingressos pela internet é ilegal, decide STJ

De acordo com as denúncias registradas, as cobranças de taxa eram feitas nas bilheterias física e online; por isso, a necessidade de presença do órgão de fiscalização no local onde será o show. No entanto, segundo Danyelle Sena, gerente de fiscalização do Procon-PE, não foram identificadas cobranças ilegais na compra física dos ingressos. Além disso,  segundo Danyelle, "as investigações continuam nas vendas online".

Segundo a gerente de Fiscalização, as empresas responsáveis devem informar a procedência de cobranças notificadas, pois, se for identificada que é uma taxa de conveniência, o valor deverá ser devolvido aos consumidores e as empresas poderão ser multadas.

A briga entre empresas e o Programa de Orientação e Proteção ao Consumidor ocorre uma semana depois de o Supremo Tribunal Federal decidir que taxa de conveniência na venda de ingressos pela internet é ilegal. Em nota divulgada pelo Procon-PE, o órgão reafirma que "não há serviço efetivo que justifique a cobrança da taxa".

veja também

comentários

comece o dia bem informado: