Uma Série de Coisas

Fernando Martins

ver colunas anteriores
O Emmy Awards é a principal premiação da TV americana e, em 2018, completa sua 70ª edição
O Emmy Awards é a principal premiação da TV americana e, em 2018, completa sua 70ª ediçãoFoto: Divulgação

Contagem regressiva para o Emmy Awards 2018! A celebração que premia as produções e seu elenco como os melhores do ano da televisão americana acontece na próxima segunda-feira (17). As apresentações ficam por conta de Colin Jost e Michael Che, do “Saturday Night Live”. As séries de TV que foram indicadas seguem a regra da academia de transmissão no período de junho de 2017 a maio de 2018. No Brasil, a premiação será transmitida pelo canal pago TNT.

Como de costume para a Television Academy, algumas premiações técnicas já foram anunciadas no último fim de semana, deixando as principais categorias para a data oficial. Em um cenário que não surpreende, a série “Game Of Thrones” conquistou sete estatuetas, das 22 em que foi indicada.

Por outro lado, pela primeira vez na história do Emmy, todos os indicados nas categorias de melhores atores e atrizes convidados em série de drama e comédia, são artistas negros. São eles: Samira Wiley, em “The Handmaid’s Tale” (Hulu); Tiffany Haddish, em “Saturday Night Live” (NBC); Katt Williams, em “Atlanta” (FX); e Ron Cephas Jones, em “This Is Us” (NBC). Você pode conferir a lista completa dos vencedores técnicos no blog Uma Série de Coisas

Leia também:
Emmy 2018: apostas do Uma Série de Coisas na categoria de comédia
Emmy 2018: apostas do Uma Série de Coisas na categoria de drama
'The Tale', indicada ao Emmy, traduz a triste e comum realidade sobre o abuso sexual

Outra novidade do Emmy Awards 2018 é quem deve apresentar as indicações ao longo da cerimônia. Algumas das estrelas estão, inclusive, concorrendo em alguma categoria, como exemplo Millie Bobby Brown (Stranger Things), Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Maisel), Sandra Oh (Killing Eve), e a dupla do "Saturday Night Live" Alec Baldwin e Kate McKinnon.

Também irão apresentar, sem concorrer, os atores Michael Douglas ​(The Kominsky Method), Tina Fey ​(Unbreakable Kimmy Schmidt), Kit Harington ​(Game of Thrones), Taraji P. Henson ​(Empire), Tracy Morgan ​(The Last O.G.), Bob Odenkirk ​(Better Call Saul) e Constance Wu ​(Fresh Off the Boat).

Até agora, o canal de televisão HBO acumula 17 prêmios, seguido pelo serviço de streaming Netflix com 16 e pela NBC, com 15. Nesta sexta-feira (14), confira a aposta do Uma Série de Coisas nas categorias relacionadas à Minissérie:

MELHOR MINISSÉRIE

Indicados: “The Alienist” (Netflix), “The Assassination Of Gianni Versace: American Crime Story” (FX), “Genius: Picasso” (National Geographic), “Godless” (Netflix) e “Patrick Melrose” (Showtime).

Aposta: “The Alienist
Status: Finalizada.
Onde assistir: Netflix.

Certamente o prêmio de melhor minissérie vai ser uma disputa acirrada. A começar por “The Alienist”, adaptação do livro homônimo de Caleb Carr. Fazendo parte do grupo de estrelas do cinema que migraram para TV, temos Dakota Fanning interpretando uma secretária de delegacia que investiga a morte de um garoto de 13 anos que teve olhos e genitais arrancados, durante o século XVIII. A produção chama atenção pela caracterização e cenário, transportando o público para uma época em que os psicólogos e psiquiatras eram chamados de alienistas. Porém, se por um lado a história acerta em mostrar o lado obscuro de uma Nova York antiga, peca quando tenta finalizar arcos e solucionar o principal mistério da trama de forma simples e preguiçosa. Resta saber se será o suficiente para ser considerada a melhor. Leia a crítica do Uma Série de Coisas sobre "The Alienist".



As concorrentes “The Assassination of Gianni Versace: American Crime Story”, “Genius: Picasso” e “Patrick Melrose” mergulham o telespectador nas realidades vividas pelos seus protagonistas. Seus intérpretes vem de trajetórias singulares e bem construídas. O ator Edgar Ramirez nos dá a sensação de que nasceu para interpretar Gianni Versace na TV, tamanho o poder de uma caracterização.

O mesmo pode ser dito para Antonio Banderas como Picasso. Já Benedict Cumberbatch, conhecido por interpretar “Sherlock” e “Doctor Who”, tem o crédito de carregar o sucesso da atuação como o aristocrata Patrick Melrose. Mas não pensem que “Godless” tem pouca chance de ganhar o Emmy, a produção tem colecionado muitas críticas positivas desde sua estreia, em 2017.



MELHOR ATOR E ATRIZ EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV

Atores indicados: Antonio Banderas, em “Genius: Picasso”; Darren Criss, em “The Assassination Of Gianni Versace: American Crime Story”; Benedict Cumberbatch, em “Patrick Melrose”; Jeff Daniels, em “The Looming Tower”; John Legend, em “Jesus Christ Superstar”; Jesse Plemons, em “USS Callister” (Black Mirror).

Atrizes indicadas: Jessica Biel, em “The Sinner”; Laura Dern, em “The Tale”; Michelle Dockery, em “Godless”; Edie Falco, em “Law & Order: True Crime”; Regina King, em “Seven Seconds”; Sarah Paulson, em “American Horror Story: cult”.

Apostas: Darren Criss, em “The Assassination Of Gianni Versace: American Crime Story”; e Jessica Biel, em “The Sinner”.

O posto de Melhor Ator e Melhor atriz em Minissérie estão entre produções antológicas (séries com temporadas independentes que, por ter começo, meio e fim curtos, podem ser consideradas minisséries).

O ator Darren Criss é o assassino Andrew Cunanan em “American Crime Story”. Antes disso, o astro não havia despontado em nenhum papel que precisasse dedicar tamanha profundidade como na antologia de Ryan Murphy. Explorando a mente conturbada que resultou no assassinato do estilista de alta costura Gianni Versace, Criss prova que é muito mais do que um personagem teen de “Glee”.

Por sua vez, a atriz da primeira temporada de “The Sinner”, Jessica Biel, não só mostra seus dons de atuação como também expõe seu talento por trás das câmeras, como produtora. Vivendo uma mãe que ataca e mata um homem sem nenhum motivo claro, Jessica conseguiu ser bastante aclamada pela crítica internacional entregando comportamentos em pequenas camadas, ora inocente, ora culpada, despindo uma personagem cheia de segredos e nuances.



MELHOR ATOR E ATRIZ COADJUVANTE EM MINISSÉRIE OU FILME PARA TV

Atores indicados: Jeff Daniels, em “Godless”; Brandon Victor Dixon, em “Jesus Christ Superstar Live in Concert”; John Leguizamo, em “Waco”; Ricky Martin, em “The Assassination Of Gianni Versace: American Crime Story”; Edgar Ramírez, em “The Assassination Of Gianni Versace: American Crime Story”; Michael Stuhlbarg, em “The Looming Tower”; Finn Wittrock, em “The Assassination Of Gianni Versace: American Crime Story

Atrizes indicadas: Sara Bareilles, em “Jesus Christ Superstar Live in Concert”; Penélope Cruz, em “The Assassination Of Gianni Versace: American Crime Story”; Judith Light, em “The Assassination Of Gianni Versace: American Crime Story”; Adina Porter, em “American Horror Story: Cult”; Merritt Wever, em “Godless”; Letitia Wright, em “Black Museum” (Black Mirror).

Apostas: Jeff Daniels, em “Godless”; e Penélope Cruz, em “The Assassination Of Gianni Versace: American Crime Story”.

Quer motivo maior que justifique o talento de um ator do que ele ser indicado não apenas por um, mas por dois papéis? Foi isso que aconteceu com Jeff Daniels este ano, pelos seus personagens em “Godless” e “The Looming Tower”. O astro concorre como Melhor Ator e Melhor Ator Coadjuvante, ambas categorias em minisséries. Quando o foco é “Godless”, Jeff não deixa nenhuma ponta solta. Em sete episódios, o ator não perde tempo e serve seu propósito como vilão de uma trama que sabe onde começa e onde termina.



Quando Penélope Cruz foi confirmada como a irmã Donatella Versace em “The Assassination Of Gianni Versace”, a expectativa de ver a migração da atriz do cinema para a televisão foi grande. É preciso lembrar que o recorte dado pela minissérie não é sobre a vida da sua personagem. O núcleo gira em torno do crime do seu irmão e de um jovem mentalmente instável lidando com seus sonhos e inseguranças até se tornar um serial killer.

A atuação de Penélope, no entanto, deixa o público com uma sensação de “quero mais”. Em cada cena que Cruz aparece, o desejo que fica é de vê-la mais vezes, como protagonista de sua própria história, afinal de contas, ela manteve a importância do nome de sua família após Gianni. A ideia de que sua personagem foi pouco explorada nada mais é do que uma infeliz consequência - para os fãs - de uma atuação que convence tanto que pede uma sequência só com Penélope.



*Fernando começou a assistir a séries de TV e streaming em 2009 e nunca mais parou. Atualmente ele acompanha mais de 200 produções e já assistiu mais de 6 mil episódios. A série mais assistida - a favorita - é 'Grey's Anatomy', à qual ele reassiste com qualquer pessoa que esteja disposta a começar uma maratona. Facebook: Uma Série de Coisas. Instagram: @umaseriedecoisas. Blog: Uma Série de Coisas.

*A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: