Uma Série de Coisas

Fernando Martins

ver colunas anteriores
Sandra Oh e Jodie Comer estão impecáveis na série
Sandra Oh e Jodie Comer estão impecáveis na sérieFoto: Divulgação

 

"Killing Eve" é uma dessas que não deixam o público esperar muito para assistir ao próximo episódio. Estrelada por Sandra Oh (Eve Polastri) e Jodie Comber (Villanelle), a série foi produzida no Reino Unido, pela Sid Gentle Films para a BBC America. A trama, baseada no livro "Codename Villanelle", de Luke Jennings, e com roteiro de Phoebe Waller-Bridge, tem duas temporadas disponíveis no Globoplay; a segunda, aliás, finalizada recentemente na plataforma brasileira.
Villanelle é uma psicopata, assassina de aluguel, absurdamente charmosa e com um toque cômico em meio à complexidade da história. As roupas em alta costura contrastam com os serviços tenebrosos que a personagem vivida pela talentosa Jodie Comer executa. Eve Polastri é uma investigadora comum, com uma vida que se adequa aos padrões. Sem muitas pretensões, Eve vê a sua vida mudar ao dar início à investigação que a levará até Villanelle.
Não há como negar a química entre as duas personagens. Ao passo que se envolve a distância com a assassina, Eve também começa a criar laços com ela, o que dá início a um jogo de "gato e rato". A diferença, no entanto, é a classe da série: é chic, passando pela construção das personagens até a trilha sonora. E o relacionamento que beira o doentio entre elas eleva a tensão da trama.

 

A relação doentia entre Eve e Villanelle dá o tom à trama

A relação doentia entre Eve e Villanelle dá o tom à trama - Crédito: Divulgação

Não é exagero dizer que Jodie Comer é quem dá sustentação ao seriado com a sua Villanelle fria, calculista e ligeiramente infantilizada. A personagem da vilã, inclusive, não foi uma construção fácil para Comer. Em entrevista ao site Omelete, a atriz revelou: "No teste de elenco me disseram que ela falava muitas línguas, mas vocês sabem como é: na entrevista de emprego, você responde sim para tudo. Aí quando os roteiros chegaram que percebi que estavam falando sério”, brincou. “Quando fiz o teste pela primeira vez me falaram que ela nasceu na Rússia, mas viveu boa parte da sua vida na França. Como ela fala muitos idiomas, seria bom que desse para identificar sua origem mas sem sotaque forte demais", relatou.
Se as dificuldades existiram na prática, não é o que se percebe na tela. Jodie Comer trabalha com maestria as línguas e sotaques, o que também é reconhecido pela colega de cena. “Como uma atriz, o que 'Jody' é encarregada de fazer é extremamente complicado. Ela é muito talentosa e tem uma audição espetacular para tirar de ouvido, é muito coragem. Haviam vezes que eu voltava para casa e tentava falar com o mesmo sotaque dela, e era só péssimo”, brincou.
A primeira temporada é de se devorar em poucos dias. A segunda não deixa a peteca cair. A trama se mantém instigante, surpreendente. Enquanto a temporada de estreia foca na relação imaginária e poucas vezes concretizada entre Eve e Villanelle, a segunda abre espaço para um contato maior entre as duas e abertura para outras personagens. A psicopatia é explorada através de casos adjacentes. E a tensão amorosa e sexual que ronda as duas chega ao seu limite. Se ainda não assistiu, está esperando o quê?

TRAILER 1ª TEMPORADA: 

 TRAILER 2ª TEMPORADA:

veja também

comentários

comece o dia bem informado: