Uma Série de Coisas

Fernando Martins

ver colunas anteriores
O ator Damon Herriman interpreta Charles Manson, serial killer famoso por sua influência
O ator Damon Herriman interpreta Charles Manson, serial killer famoso por sua influênciaFoto: Reprodução/Netflix

A segunda temporada do drama policial “Mindhunter” chegou ao catálogo da Netflix em agosto tão bem produzida quanto a primeira. A série estreou em 2017 e é baseada no livro “Mind Hunter: Inside the FBI’s Elite Serial Crime Unit”, escrito por John E. Douglas e Mark Olshaker. A terceira temporada ainda não foi confirmada, mas os criadores afirmaram em antigas entrevistas que a intenção era de que a produção tivesse cinco temporadas.

A trama da primeira temporada se passa em 1977 e na segunda temporada no início dos anos 1980, época em que a psicologia criminal e a produção de perfis criminais eram um trabalho que ainda estava sendo criado e, portanto, visto dentro do FBI como um setor de pouca credibilidade. Os dois agentes que protagonizam a história, Holden Ford (Jonathan Groff) e Bill Tench (Holt McCallany), fazem parte do Departamento de Ciência Comportamental e contam com o apoio da psicóloga Wendy Carr (Anna Torv) para entrevistar assassinos em série que estão presos. O objetivo do trio é entender como esses criminosos pensam para prever e capturar potenciais serial killers.

O que mais chama a atenção em “Mindhunter”, principalmente para os interessados em entender a mente desse tipo de criminosos, é que todos os crimes mostrados na série aconteceram na vida real e a maquiagem da série faz com que os atores se tornem uma cópia quase fiel de seus personagens.

Leia também:
Conheça os enredos dos projetos da criadora de ‘Grey’s Anatomy’ para Netflix
'Nosso Ofício': Série brasileira relaciona profissões quase extintas com a delicadeza dos sentimentos

Pensando nisso, a coluna desta sexta-feira (6) conta um pouco mais sobre os vilões da segunda temporada com exceção dos assassinatos investigados em Atlanta, já que esse é o tema central dos novos episódios – seria interessante assistir a temporada antes. A partir daqui, terá spoilers! Caso você seja sensível a esse tipo de conteúdo, aconselho que pare a leitura neste ponto.

David Berkowitz

Preso em: 1977.
Conhecido por: Filho de Sam.
Interpretado por: Oliver Cooper.

Entre julho de 1976 e agosto de 1977, David Berkowitz caminhou pela cidade de Nova York cometendo vários crimes. Ele matou seis pessoas e feriu outras sete com um revólver calibre .44. Após ser preso, Berkowitz alegou que o motivo dos assassinatos era que um espírito maligno possui um cachorro e que o animal dava ordens de que ele atirasse na comunidade.

Tanto na vida real como na série, David mudou sua confissão alegando que era responsável pela morte de duas das vítimas ligadas a ele e que havia tentado colocar a culpa no animal. O criminoso atribui todas as outras mortes ao culto no qual era membro.

Quando criança, Berkowitz demonstrava ter uma inteligência acima da média, mas possuía tendências piromaníacas. Após o divórcio de seus pais adotivos, seu pai casou novamente, mas David não gostava de sua madrasta por ela ter interesse pelo ocultismo. Alega-se que é daí que surgiu sua história de culpar o cachorro pelos seus crimes. Ele continua preso até hoje, cumprindo seis penas de prisão perpétua.

William Pierce Jr.

Preso em: 1971.
Interpretado por: Michael Filipowich.

William Pierce foi preso em 1970 por roubo, mas liberado antes de cumprir a pena completa. Em Atlanta, após sair da prisão, começou uma série de assassinatos que o levaria a ser condenado na Geórgia, a primeira vítima foi uma garota de 13 anos.

William Henry Hance

Preso em: 1978.
Interpretado por: Corey Allen.

Hance era um ex-soldado responsável por matar três mulheres no estado da Geórgia. Na época, uma quarta vítima também era atribuída ao serial killer nas acusações, mas ele só foi condenado por três. Antes de ser preso, William enviou cartas à polícia expondo sua intenção em cometer mais crimes. Em “Mindhunter”, os agentes do FBI conseguem entrevistar o criminoso na primeira década de sua condenação. Na vida real, ele morre no ano de 1994, na cadeira elétrica.

Elmer Wayne Henley

Preso em: 1974.
Interpretado por: Robert Aramayo.

Diferente dos criminosos já citados até aqui, Elmer cometeu seus crimes em parceria com outro serial killer, o Dean Corll.

Elmer escolhia e atraía possíveis vítimas para a casa de Dean, onde eram torturadas e mortas. Ao todo, estima-se que foram 28 jovens homossexuais entre 1970 e 1973. Dean foi morto pelo próprio Elmer, a tiros, em 1973. Ele foi julgado e condenado como cúmplice e pela morte de seis das 28 vítimas. Atualmente, Elmer cumpre pena de 99 anos no Texas.

Charles Manson

Preso em
: 1971 (pelo caso Tate).
Interpretado por: Damon Herriman.

Considerado um dos mais famosos serial killers da lista, Charles Manson foi julgado e condenado pela morte de sete pessoas, mesmo sem ter feito o crime diretamente. Dono de uma oratória notável, Manson era o líder de uma seita denominada de “Família Manson”. Seus seguidores o consideravam um Deus e faziam tudo que lhes era ordenado, incluindo roubos e assassinatos.

Charles Manson já havia passado por reformatórios e centros de detenção psiquiátrica algumas vezes. Mas foi em agosto de 1969 que Manson instruiu seus seguidores a invadirem uma casa da rua Cielo Drive, Califórnia. No local, estavam a atriz Sharon Tate, grávida de oito meses; seu amigo e ex-namorado, Jay Sebring; Abigail Folger e seu namorado, Wojciech Frykowski; e Steven Parent. Todos foram brutalmente assassinados com 102 facadas no total.

Nos primeiros dias após o crime, Manson se juntou ao grupo, dessa vez caminhando por bairros aleatórios até chegar na residência do empresário Leno LaBianca e de sua esposa Rosimary, ambos violentamente assassinados pela Família Manson.

As investigações do caso Tate e LaBianca duraram meses antes de serem ligados a Charles Manson e seus seguidores. Todos foram presos e condenados a prisão perpétua. A história, resumida aqui nos fatos principais, servem de base até hoje para tramas no cinema e na TV, como é o caso de “Mindhunter” e “Era uma Vez em Hollywood”, filme do cineasta Quentin Tarantino que estreou nos cinemas mês passado.

O ator Damon Herriman interpreta Charles Manson tanto no longa de Tarantino quanto na série da Netflix, mas nada disso foi combinado ou possuem qualquer relação entre as duas tramas. O ator se mostrou passou tanta verdade em sua atuação que, na mesma semana de teste de elenco, foi escolhido pelas duas produções. Na vida real, Manson morreu em 2017, na Califórnia.

Paul Bateson

Preso em: 1979.
Interpretado por: Morgan Kelly.

Paul Bateson foi acusado de matar uma jornalista e sete homens gays em Nova York, na década de 1970. Ele participou como figurante no longa “O Exorcista” (), fazendo um angiograma na protagonista Regan MacNeil (Linda Blair). Essa é apenas um de vários fatos estranhos envolvendo acidentes e mortes relacionadas ao longa de terror.

Quando o corpo da jornalista Addison Verril foi encontrado em seu apartamento, cinco anos após a estreia do filme, o crime foi ligado aos assassinatos dos sete homens gays, mas sem muitas provas contundentes. O caso foi dado como encerrado quando outro jornalista, Arthur Bell, recebeu duas ligações onde um homem dizia ser Paul Bateson e que tinha cometido os crimes.

Bateson sempre negou sua participação na morte dos rapazes, mas confessou seu envolvimento no que diz respeito ao assassinato da jornalista Addison Verril. Ele foi condenado há 20 anos de prisão, tendo concluído sua pena em 2003. Ele nunca mais foi visto e até hoje não se tem provas que o condenassem diretamente ao caso dos sete homens.

Dennis Rader

Preso em: 2004.
Conhecido por: BTK (bind, torture, kill).
Interpretado por: Sonny Valicenti.

Durante toda a primeira temporada de “Mindhunter”, pequenas cenas de um homem adulto fazendo coisas teoricamente simples são vistas no começo ou final de alguns episódios. Isso se repete na segunda temporada, com o atenuante de que o desconhecido, agora, veste-se com roupas femininas e simula seu próprio enforcamento no banheiro.

Tudo indica que a série quer mostrar pedaços da vida do Estrangulador BTK, como ficou conhecido Dennis Rader após matar aproximadamente 10 mulheres entre 1974 e 1991. Na segunda temporada de “Mindhunter”, uma conversa entre o agente Bill Tench e um jovem dito como único sobrevivente de um ataque do BTK mostra os esforços da polícia em tentar capturar o serial killer, mas as investigações na vida real duraram décadas até o caso ser arquivado. Apenas um ano depois do arquivamento, em 2004 conseguiu localizar e prender Dennis.



*Fernando começou a assistir a séries de TV e streaming em 2009 e nunca mais parou. Atualmente ele acompanha mais de 280 produções e já assistiu mais de 7 mil episódios. A série mais assistida - a favorita - é 'Grey's Anatomy', à qual ele reassiste com qualquer pessoa que esteja disposta a começar uma maratona. Facebook: Uma série de Coisas. Instagram: @umaseriedecoisas. Twitter: @seriedecoisas_ YouTube: Uma Série de Coisas. Podcast: Pocbuster. Portal: umaseriedecoisas.com.br.

*A Folha de Pernambuco não se responsabiliza pelo conteúdo das colunas.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: