Acordo Mercosul-Japão não deve ser fechado em viagem de Bolsonaro

O assunto deverá ser tratado em reunião bilateral entre o brasileiro e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, na quarta-feira (23)

Bolsonaro chega ao Japão Bolsonaro chega ao Japão  - Foto: José Dias / PR

Apesar da grande expectativa do governo brasileiro, um acordo de parceria entre o Mercosul e o Japão não deve ser anunciado durante a viagem do presidente Jair Bolsonaro ao país asiático.

O assunto deverá ser tratado em reunião bilateral entre o brasileiro e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, na quarta-feira (23), mas até mesmo o corpo diplomático do Brasil considera a chance remota.

Segundo negociadores ouvidos pela Folha de S.Paulo, a proposta ainda não está madura o suficiente e o governo japonês tem demonstrado resistência em fazer um anúncio em meio à cerimônia de ascensão do novo imperador japonês, marcada para terça-feira (22).

Leia também:
Mercosul e Prosul apoiam governo do Equador e pedem fim dos protestos
Acordo Mercosul-UE pode impactar economia brasileira em US$ 79 bilhões

Nesta segunda-feira (21), ao chegar à cidade de Tóquio, Bolsonaro demonstrou animação com a possibilidade de um acordo e disse que tem interesse ainda de fechar parcerias do bloco comercial com a Coreia do Sul e com os Estados Unidos. "É lógico que estou interessado. A Coreia do Sul também. Até os Estados Unidos. Está indo bem o Brasil", afirmou.

O Japão começou a demonstrar interesse em formar um pacto em julho, após o anúncio de um acordo entre o Mercosul e a União Europeia. Nos últimos anos, o fluxo comercial entre os mercados brasileiro e japonês sofreu um recuo, o que tem preocupado os dois países.

Com uma hipótese reduzida de um anúncio nesta quarta-feira (23), a aposta da diplomacia brasileira é de que um acordo pode ser amadurecido até o final do ano. Em novembro, por exemplo, Shinzo Abe deve visitar o Brasil.

Bolsonaro iniciou nesta segunda-feira (21) uma viagem de mais de dez dias pelo continente asiático. Além do Japão, ele visitará a China, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes e o Catar.

Nos demais países, o foco será melhorar a relação comercial com as nações asiáticas e aumentar o comércio de proteína animal.

Veja também

Violência contra a mulher também é um problema econômico, diz presidente da Avon
Avon

Violência contra a mulher também é um problema econômico, diz presidente da Avon

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção
servidores

1 em 4 servidores do Executivo Federal receberá até 2021 adicional por promoção