Economia

Acordo Mercosul-UE pode elevar em US$ 10 bi exportações do Brasil, projeta CNI

De acordo com estudo da CNI, dos 1.101 produtos que o Brasil pode exportar para a União Europeia, 68% possuem tarifas de importação ou cotas

Bandeira Brasil e MercosulBandeira Brasil e Mercosul - Foto: Wikimedia Commons

O acordo fechado entre Mercosul e União Europeia poderá aumentar em US$ 9,9 bilhões as exportações brasileiras para o bloco europeu, um aumento de 23,6% em dez anos, e terá potencial para gerar 778,4 mil empregos, projeta estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Para a Confederação, o aumento não é trivial. De 2012 e 2016, lembra a CNI, as exportações brasileiras para a UE caíram de US$ 49,1 bilhões para US$ 33,4 bilhões. Houve leve recuperação em 2017 e, no ano passado, os embarques somaram US$ 42,1 bilhões. Desse total, 56% foram de bens industrializados.

De acordo com estudo da CNI, dos 1.101 produtos que o Brasil pode exportar para a União Europeia, 68% possuem tarifas de importação ou cotas. "Esse acordo pode representar o passaporte para o Brasil entrar na liga das grandes economias do comércio internacional", afirmou o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

"Cria novas oportunidades de exportação devido à redução de tarifas europeias, ao mesmo tempo que abre o mercado brasileiro para produtos e serviços europeus, o que exigirá do Brasil aprofundamento das reformas domésticas", complementa, lembrando que, como a mudança será gradual, as empresas terão tempo para se adaptar à nova realidade.

Leia também:
Para Bolsonaro, acordo entre UE e Mercosul trará benefícios enormes a Brasil
Europeus adotam cautela sobre acordo com Mercosul

Os dois blocos formarão uma área de livre comércio com um Produto Interno Bruto (PIB) de US$ 19 trilhões, com um mercado de 750 milhões de pessoas, estima a CNI.

Os produtos nacionais passarão a ter acesso preferencial a 25% do comércio do mundo com isenção ou redução do imposto de importação –atualmente, segundo a Confederação, eles só entram nessas condições em 8% dos mercados internacionais.

O acordo reduz de 17% para 0% as tarifas de importação de produtos brasileiros, como calçados, e aumenta a competitividade de bens industriais em setores como têxtil, químicos, autopeças, madeireiro e aeronáutico.

Para o Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai), o acordo prevê período e mais de dez anos de redução de tarifas para produtos mais sensíveis à competitividade da indústria europeia. No caso europeu, a maior parte do imposto de importação será zerada assim que o tratado entrar em vigor. O acordo cobre 90% do comércio entre os blocos.

Veja também

Sam Altman acumulou fortuna de US$ 2 bilhões sem contar com ações da OpenAI, criadora do ChatGPT
NEGÓCIOS

Sam Altman acumulou fortuna de US$ 2 bilhões sem contar com ações da OpenAI, criadora do ChatGPT

PIB de 2023 revela que fazer dever de casa traz resultado positivo
Febraban

PIB de 2023 revela que fazer dever de casa traz resultado positivo