Economia

Acordos para redução de salário e jornada e suspensão de contratos já passam de 2 milhões no país

Ministério da Economia divulgou balanço das ações econômicas do governo em meio à pandemia da Covid-19

Carteira de trabalhoCarteira de trabalho - Foto: Divulgação

Os acordos entre empresas e funcionários para redução de jornada e salário e para suspensão do contrato de trabalho já passam dos 2 milhões, segundo informou nesta sexta-feira (17) o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Bianco.

Bianco e outros representantes do Ministério da Economia estiveram em coletiva divulgando balanço das ações econômicas do governo na pandemia do coronavírus.
"Ao preservarmos empregos preservamos também o pós-crise", disse ele.

Os representantes do Ministério da Economia reconheceram que as medidas tomadas para conter a crise do coronavírus não devem recuperar a economia com agilidade, mas defenderam que sejam feitas mais reformas.

As ações do governo para os trabalhadores com carteira assinada estão contidas em duas medidas provisórias, a 927 e 936, que tratam sobre home office, férias e feriados e adiamento do pagamento do FGTS dos trabalhadores, além de corte de jornada e de salário e suspensão do contrato de trabalho.

COMERCIÁRIOS EM SÃO PAULO
Na capital paulista, o Sindicato dos Comerciários já fechou 5.000 acordos para reduzir salário e jornada ou suspender o contrato de trabalho. Segundo Ricardo Patah, presidente do sindicato, a maioria dos acordos é para redução de 50% da jornada e do salário.

"As lojas estão fechadas, a maior parte com redução de 50%, mas como há um benefício do governo e os salários dos comerciários, em geral, não passam de R$ 2.000, a perda será de 8%. Para quem ganha mais, aí chega a 30%, 40%", diz.

O sindicato estima que as negociações com setores como de supermercados e revendas de automóveis, incluindo micro e pequenas empresas de vários outros ramos do varejo devem levar à preservação de 250 mil empregos.

"O melhor acordo é que todos tivessem garantido emprego e salário, mas temos esperança de que estamos dando contribuição para vida, para o emprego e, mais para frente, para o próprio salário", afirmou.

Veja como podem ser os acordos entre patrões e empregados:

Como funciona o corte de jornada e salário
- Haverá uma redução proporcional nas horas de trabalho e no salário
- Este corte pode ser por até 90 dias
- O trabalhador tem direito à estabilidade pelo dobro do período em que a medida estiver em vigor
- Haverá ajuda compensatória do governo

Quanto pode-se cortar de salário e jornada
- O corte poderá ser de 25%, 50% ou 70%
- O governo paga o mesmo percentual sobre o seguro-desemprego a que o profissional teria direito

O que é a suspensão do contrato de trabalho
- É a interrupção total do contrato por até dois meses
- Neste caso, o trabalhador tem estabilidade de até quatro meses sem que seja demitido
- Se houver demissão, o empregador paga uma indenização

Pagamento a quem tiver o contrato suspenso
- O patrão não é obrigado a pagar o salário nem os encargos como INSS e FGTS
- É possível negociar uma ajuda, que será como uma indenização
- Além disso, o governo vai pagar um auxílio, que será de 100% do valor a que o trabalhador teria direito de seguro-desemprego para empresas com faturamento de até R$ 4,8 milhões
- Empresas maiores devem arcar com 30% do salário e o governo paga ajuda de 70% do valor do seguro-desemprego a que o trabalhador teria direito

Quem pode ter redução de salário ou suspensão do contrato
- Todos os trabalhadores, incluindo empregados domésticos, funcionários de ONGs (Organizações Não Governamentais) e profissionais contratados por igrejas

Quem ficou de fora da medida
- Servidores públicos, funcionários de empresas públicas, profissionais de áreas consideradas essenciais como saúde e segurança, por exemplo
- Também não entram trabalhadores que estão afastados, quem está recebendo auxílio-doença e mães que tiveram bebês e estão de licença-maternidade

Como é a negociação do patrão com o empregado?
- Para quem ganha até R$ 3.135 ou acima de R$ 12.202,12 (e tem curso superior) o acordo poderá ser individual
- Quem ganha acima de R$ 3.135 até R$ 12.202,12 pode ter acordo individual, se a redução for de até 25%
- Se o percentual de corte for maior, é necessária negociação com o sindicato
- No entanto, especialistas indicam sempre tentar acordo coletivo, pois dessa forma, o profissional não poderá recusá-lo

Pagamento não é seguro-desemprego
- O benefício a ser pago aos trabalhadores que tiverem jornada e salário reduzidos ou contratos suspensos não é o seguro-desemprego
- Para pagar o valor, o governo vai calcular uma média para saber quanto o trabalhador teria direito de seguro-desemprego caso fosse demitido
- Sobre esta média será pago o percentual correspondente à redução de jornada daquele funcionário
- O valor máximo que se pode receber é de R$ 1.813,03, que é 100% do seguro-desemprego
- Se, no futuro, o trabalhador for demitido, ele terá direito de acessar o seu seguro-desemprego normalmente

Veja também

Após decisão do STF, governo prepara novo decreto para cortar IPI
Imposto

Após decisão do STF, governo prepara novo decreto para cortar IPI

Juíza nega parcialmente pedido de Musk contra Twitter em mais um capítulo da disputa judicial
Decisão judicial

Juíza nega parcialmente pedido de Musk contra Twitter em mais um capítulo da disputa judicial