Mundo

Adidas e Puma se juntam ao boicote ao Facebook por discurso de ódio

As marcas interromperão suas propagandas no Facebook e Instagram em julho

Loja da Adidas em Atlanta, nos EUALoja da Adidas em Atlanta, nos EUA - Foto: Pixbay

As marcas alemãs de roupa esportiva Adidas e Puma interromperão suas propagandas no Facebook e Instagram em julho, juntando-se à lista de marcas que tomaram uma decisão semelhante em nome do combate ao discurso de ódio nas redes sociais.

"O racismo, a discriminação e as declarações racistas não devem ter espaço nem em nossa empresa nem em nossa sociedade", declarou a Adidas em uma nota enviada nesta terça-feira (30) à AFP.

Essa suspensão também inclui sua filial americana Reebok. Sua rival, Puma, tomou a mesma decisão porque "é essencial para nós que todos os nossos parceiros defendam nossos valores fundamentais e se oponham ao discurso de ódio", segundo um comunicado.

Cerca de 200 marcas, entre elas Coca-Cola, Levis, Starbucks e Unilever decidiram boicotar o Facebook. Organizações como a Liga Antidifamação (ADL) e a associação de defesa dos direitos dos afroamericanos NAACP, pediram aos anunciantes que boicotem o Facebook durante julho para pressioná-lo a regular melhor os grupos que o utilizam para incitar ao ódio, racismo ou violência. 

A maior rede social do mundo enfrenta há semanas uma forte pressão por parte da sociedade civil, assim como de alguns de seus funcionários, usuários e clientes para ser mais intransigente com os conteúdos de ódio. 

Veja também

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas
economia

Fala de fundadora do Nubank sobre negros mostra incompreensão, dizem especialistas

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia
economia

STF inicia julgamento sobre ICMS de gás importado da Bolívia