Economia

Aeroporto de Manaus é retirado de leilão após decisão da Justiça

No início de abril, o TRF-1 deferiu o pedido do consórcio SB Porto Seco para excluir o aeroporto de Manaus das concessões

Aeroporto Internacional de ManausAeroporto Internacional de Manaus - Foto: Google Maps

Uma decisão do presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), ministro Humberto Martins, retirou o Aeroporto Internacional de Manaus do leilão de concessões realizado no último dia 7 pelo Ministério da Infraestrutura.

Nesta terça-feira (20), o ministro voltou atrás de uma decisão anterior e restabeleceu parte de uma liminar do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região), que havia retirado o aeroporto da capital do Amazonas do leilão feito pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

A concessão da Anac era para uso da área para exploração comercial e operação da atividade de armazenagem e movimentação de cargas no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes.
 


Só que o aeroporto de Manaus se encontra em uma situação peculiar: já havia um contrato assinado em 2018, entre a Infraero e o consórcio SB Porto Seco, para exploração comercial e operação no terminal pelo prazo de dez anos.

Em 2019, a licitação foi suspensa pelo TCU (Tribunal de Contas da União). A partir disso, o caso passou por uma série de contestações na Justiça, que ora confirmavam e ora suspendiam a decisão do tribunal. Em paralelo, a Infraero incluiu Manaus no programa nacional de desestatização.

No início de abril, o TRF-1 deferiu o pedido do consórcio SB Porto Seco para excluir o aeroporto de Manaus das concessões. A União, por sua vez, alegou que a interferência em um leilão internacional poderia causar "dano irreparável à imagem do Brasil e significativa perda de receita".

Já o consórcio argumentou que a retirada do aeroporto do leilão ajudaria a manter a credibilidade do poder público perante os investidores, pois havia uma licitação "definitivamente encerrada, aperfeiçoada e acabada".

Mesmo com a decisão do STJ, foram mantidos no bloco Norte do leilão os terminais de Porto Velho (RO), Rio Branco (AC), Cruzeiro do Sul (AC), Tabatinga (AM), Tefé (AM) e Boa Vista (RR). Junto com Manaus, o bloco havia sido arrematado por R$ 420 milhões, pela Vinci Airports.

Procurada pela Folha, a Anac disse que ainda não havia sido comunicada oficialmente da decisão referente à alteração do leilão.

Veja também

Boeing terá que inspecionar todos os seus 737 mais antigos nos EUA
Aviação

Boeing terá que inspecionar todos os seus 737 mais antigos nos EUA

Caixa começa a pagar hoje segunda parcela do auxílio emergencial
Economia

Caixa começa a pagar hoje segunda parcela do auxílio emergencial