Economia

Agência de risco cita melhora financeira e eleva nota da Petrobras

Também nesta sexta (10), a S&P manteve a nota de crédito do Brasil em grau especulativo e reafirmou a perspectiva negativa

Com o reajuste o litro do combustível recuará de R$ 2,2514 para R$ 2,2381Com o reajuste o litro do combustível recuará de R$ 2,2514 para R$ 2,2381 - Foto: Arquivo/EBC

Pouco mais de dois anos após retirar o selo de bom pagador da Petrobras, a agência de classificação de risco S&P (Standard & Poor's) decidiu elevar a classificação de risco da empresa, sob a justificativa de que houve melhoras na estrutura financeira e maior previsibilidade. 

Em comunicado divulgado nesta sexta (10), a S&P elevou a nota da empresa de B+ para BB-, ainda três degraus abaixo da primeira nota considerada grau de investimento (BBB-), selo conferido a empresas com menor risco de calote . 

Também nesta sexta (10), a S&P manteve a nota de crédito do Brasil em grau especulativo e reafirmou a perspectiva negativa, o que significa que o país pode ter o rating rebaixado nos próximos meses.Com a elevação, a Petrobras tende a pagar taxas menores quando tomar empréstimos com o mercado financeiro. No comunicado, a S&P justifica a decisão dizendo que a Petrobras persegue uma estratégia focada em redução acelerada da dívida e fortalecimento de sua liquidez.

"Na nossa opinião, o estabelecimento de uma política de preços [dos combustíveis] garante visibilidade aos fluxos de caixa e uma estrutura de capital mais equilibrada", diz a agência. 

No entanto, continua, mudanças nos controles internos ainda estão em estágio inicial e há dúvidas sobre a sustentabilidade desse processo em caso de mudança na gestão ou no governo. 

LAVA JATO 

A Petrobras perdeu o selo de bom pagador conferido pela S&P em dezembro de 2014, quando enfrentava dificuldades para fechar seu balanço financeiro diante das denúncias de corrupção investigadas pela Operação Lava Jato. 

Desde então, houve novos rebaixamentos, provocados pelas incertezas sobre a capacidade da estatal para lidar com seu elevado endividamento."A administração da Petrobras mudou para melhor e a volta do grau de investimento é questão de tempo. Hoje, a empresa está voltada para acionista e não para políticas governamentais como antes", comentou Pablo Spyer, diretor da corretora Mirae Asset Wealth Management.

Veja também

Após perda de assinantes, Netflix faz demissões
demissão em massa

Após perder 200 mil assinantes, Netflix demite funcionários

Senado aprova despacho gratuito de bagagem. No mundo, só Rússia e Venezuela liberam mala de graça
Economia

Senado aprova despacho gratuito de bagagem; só Rússia e Venezuela liberam mala de graça