Alta do dólar requer cuidados de viajantes

Só nas últimas duas semanas, o dólar ficou R$ 0,12 mais caro no mercado à vista. O dólar turismo, que inclui taxas e custos das casas de câmbio, chegou a R$ 3,70. Uma viagem estimada em US$ 4.000 teria saltado, só nesse período, de R$ 14.320 para R$ 14.80

dólardólar - Foto: Petr Kratochvil / Public Domain Pictures

Quem tem viagem marcada para o exterior e não consegue mais adiá-la pode ter que cortar gastos e rever alguns planos para que o passeio caiba no orçamento inicialmente previsto, dizem especialistas. O alerta vale para quem deixou para a última hora para trocar dinheiro.

Só nas últimas duas semanas, o dólar ficou R$ 0,12 mais caro no mercado à vista. O dólar turismo, que inclui taxas e custos das casas de câmbio, chegou a R$ 3,70. Uma viagem estimada em US$ 4.000 teria saltado, só nesse período, de R$ 14.320 para R$ 14.800.

Se o planejamento foi feito antes da alta, o susto é maior: em meados de fevereiro, a viagem sairia por R$ 13.280. Para não correr o risco de ficar no vermelho, o viajante precisa tomar alguns cuidados, principalmente com gastos que ainda vão ser feitos na moeda estrangeira, como transporte, alimentação e passeios.

Leia também:
Um olhar recifense sobre Lisboa, ora pois
Coluna sobre viagens estreia nesta terça no Portal FolhaPE


Serviços de transporte urbano como Uber e táxis podem ser substituídos por ônibus e metrô, diz o planejador financeiro José Faria Júnior, da associação Planejar.

A alimentação também pode ficar mais em conta. Em vez de fazer refeições na rua, o turista pode comprar comida no supermercado e economizar, diz Joelson Sampaio, professor de economia da Fundação Getulio Vargas (FGV).

A margem de manobra é menor para despesas grandes que costumam ser contratadas antecipadamente, como passagens aéreas e estadia. "Esses gastos representam cerca de dois terços da viagem", diz Faria Júnior.

Também é possível diminuir o número de passeios e priorizar os programas gratuitos, afirma o planejador. No entanto, é importante conter gastos sem gerar frustração, diz ele.

"Corte aquilo que conseguir sem provocar insatisfação com a viagem, principalmente se aquela é uma ocasião especial, se a pessoa não costuma viajar muito. O planejamento financeiro é importante, mas se a viagem não trouxer satisfação, aí é que a despesa não valeu a pena."

Dicas para economizar


Antecedência

Comprar antes permite conseguir preços mais baixos em passagens e hospedagens, além de abrir espaço para o planejamento de gastos com refeições e passeios e permitir que se guarde aos poucos os recursos necessários para a esperada viagem

Gastos extras

Itens muitas vezes esquecidos, lembranças de viagem, passeios, ingressos em atrações e até refeições mais caras do que o normal devem ser levados em conta ao elaborar o orçamento da viagem de lazer

Kit de sobrevivência

Vá ao supermercado para comprar água, bebidas, biscoitos, etc. Sai mais barato do que o preço cobrado em hotéis e lojas de conveniência

Para não estourar o orçamento, corte programas e tente buscar alternativas gratuitas na cidade

Quedas do câmbio

Compre moeda estrangeira aos poucos para evitar pagar caro; não tente acertar a cotação, sob risco de ser surpreendido com uma forte valorização

Guarde dinheiro

Quem recebe salário ganha, no início das férias, o adiantamento do que deveria receber no mês seguinte. É prudente guardar parte do valor para pagar despesas na volta das férias, evitando dívidas e surpresas desagradáveis

Pagamento de contas

Se puder pagar contas fixas com antecedência, como luz, condomínio e telefone, você garante que parte das despesas da volta estará quitada e evita gastar o recurso e ter que se preocupar com o orçamento ao retornar.

Veja também

Seja sócio de empresas globais e reduza o risco geográfico de seus investimentos
Folha Finanças

Seja sócio de empresas globais e reduza o risco geográfico de seus investimentos

Amazon doará mais de US$ 2,65 milhões para produtoras da América Latina por Covid-19
RECURSO

Amazon doará mais de US$ 2,65 milhões para produtoras da América Latina por Covid-19