Anac pede que companhias aéreas proíbam MacBook Pro de 15 polegadas em voos

A fabricante iniciou um processo de recall dos aparelhos por problemas de superaquecimento nas baterias

MacBook Pro 15, modelo da AppleMacBook Pro 15, modelo da Apple - Foto: Apple/Divulgação

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) divulgou na última quarta-feira (28) que recomendará às companhias aéreas que proíbam o embarque do MacBook Pro de 15 polegadas em voos brasileiros devido a problemas detectados em um lote de baterias de lítio do modelo, fabricado entre setembro de 2015 e fevereiro de 2017.

A fabricante iniciou um processo de recall dos aparelhos por problemas de superaquecimento nas baterias, que em alguns casos podem levar a incêndios.

"Os equipamentos defeituosos não devem ser transportados como bagagem de mão nem despachados no porão da aeronave, dados os riscos que representam para as operações aéreas. Os passageiros que embarcarem com o dispositivo inapropriadamente serão orientados pelos profissionais das companhias aéreas a manterem o dispositivo desligado e a não recarregarem o aparelho durante o voo", diz a agência reguladora em nota.

Leia também:
Preço do novo iPhone no Brasil é o mais alto do mundo, diz pesquisa
Lucro da Apple cai, mas resultado é melhor que o previsto
Procon notifica FaceApp, Apple e Google

Segundo a Anac, a recomendação deve se manter até que a Apple faça a substituição dos modelos que podem apresentar problemas.

A agência afirmou que as medidas buscam garantir a segurança das operações aéreas e "estão em consonância com as práticas tomadas recentemente pelas autoridades de aviação civil americana, Federal Administration Aviation (FAA), e europeia, European Union Aviation Safety Agency (EASA)."

A FAA, que também adotou a proibição, já divulgou nota em que afirma ter alertado companhias aéreas sobre o recall.

Veja também

Procon Jaboatão realiza mutirão de negociação de dívidas
Negociação

Procon Jaboatão realiza mutirão de negociação de dívidas

Líderes do Senado querem desidratar PEC emergencial
Senado

Líderes do Senado querem desidratar PEC emergencial