Auxílio

Ao lado de Guedes, Bolsonaro fala em confiança e diz que não fará 'aventura' com Auxílio Brasil

A declaração foi dada a jornalistas no auditório do Ministério da Economia

O presidente da República, Jair Bolsonaro e o ministro da economia, Paulo Guedes,fazem declaração conjunta à imprensa no auditório do ministério da economia em BrasíliaO presidente da República, Jair Bolsonaro e o ministro da economia, Paulo Guedes,fazem declaração conjunta à imprensa no auditório do ministério da economia em Brasília - Foto: Wilson Dias / Agência Brasil

Ao lado do ministro Paulo Guedes, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta sexta-feira (22) que tem "confiança absoluta" no titular da Economia, e que o governo não fará "nenhuma aventura" com o Auxílio Brasil, sucessor do Bolsa Família.

"Deixo claro a todos os senhores. Esse valor [R$ 400] decidido por nós tem responsabilidade. Não faremos nenhuma aventura, não queremos colocar em risco nada no tocante a economia", afirmou o presidente.

A declaração foi dada a jornalistas no auditório do Ministério da Economia. Bolsonaro fez a visita fora da agenda ao titular da pasta, acompanhado da ministra da articulação política, Flávia Arruda, que não participou do pronunciamento.

O encontro ocorreu depois de uma crise gerada pela debandada de secretários de Guedes, motivada pela manobra no teto de gastos, regra que limita o crescimento das despesas públicas federais, para pagar R$ 400 de Auxílio Brasil.

A previsão era que Bolsonaro fosse ao gabinete de Guedes acompanhado da ministra da Secretaria de Governo, Flávia Arruda, que lidera a articulação política do governo.

"É uma pessoa que conheci bem antes das eleições, que nós nos entendemos muito bem. Tenho confiança absoluta nele e ele também entende as aflições que o governo passa", disse Bolsonaro, num gesto ao ministro.
Apesar de o chefe do Executivo ter dito na quinta-feira (21) também que Guedes continuaria no governo, os rumores sobre uma eventual saída do ministro continuaram.

Na coletiva de imprensa nesta sexta-feira, o titular da Economia afirmou categoricamente que não pediu demissão e que o presidente não teria indicado pedir o cargo.

"Sei que o presidente não pediu isso, porque acredito que ele confia em mim e eu confio nele, mas sei que muita gente da ala politica andou oferecendo nome e fazendo pescaria", disse o titular da Economia, ao lado de Jair Bolsonaro (sem partido), em declaração no ministério a jornalistas.

O ministro não citou nominalmente ninguém. Contudo, sabe-se que integram a ala política os ministros Ciro Nogueira (Casa Civil), Flávia Arruda (Secretaria de Governo) e João Roma (Cidadania) -todos parlamentares e defensores da solução do Auxílio Brasil de R$ 400.

A respeito do fogo amigo, das sondagens para o seu lugar, o ministro disse que não necessariamente são feitas por ministros. E sinalizou ainda que seria um movimento de pessoas contrárias ao teto de gastos.
"Existe uma legião de fura tetos, o teto é desconfortável", disse o ministro. Pouco antes, explicou a manobra que o governo tenta fazer para mudar o cálculo do teto de gastos para abrigar o orçamento do novo Bolsa Família.

A ala política do governo ganhou queda de braço travada nas últimas semanas com a equipe econômica, e o governo propôs uma manobra que altera a fórmula de cálculo para o teto de gastos, regra que limita o crescimento das despesas públicas federais.

A medida deve abrir um espaço no Orçamento de 2022 de mais de R$ 80 bilhões. Com isso, o governo Bolsonaro espera pagar o Auxílio Brasil, sucessor do Bolsa Família, de R$ 400, e um auxílio combustível para caminhoneiros.

Na noite desta quinta-feira (21), houve uma debandada na equipe de Guedes, depois da oficialização de uma manobra para driblar a regra constitucional do teto de gastos. Quatro secretários da equipe econômica pediram demissão por discordarem das decisões.

O maior representante da área que controla o Orçamento do governo, abaixo de Guedes, é o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal. Ele e o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt -subordinado a Funchal-, pediram exoneração dos cargos.

O Ministério da Economia afirmou que também deixarão os cargos a secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas, e o secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araujo.

A debandada ocorreu após semanas de escalada da pressão do Palácio do Planalto sobre a equipe econômica por mais recursos, e horas após a formalização de uma proposta do governo para driblar o teto de gastos, regra que limita o crescimento das despesas públicas federais.

Veja também

Ministro descarta risco de apagão no país por crise hídricaCrise Hídrica

Ministro descarta risco de apagão no país por crise hídrica

Wall Street fecha em queda, puxada por tomadas de benefícios e FedBolsa de valores

Wall Street fecha em queda, puxada por tomadas de benefícios e Fed