energia

Após críticas, governo anuncia redução em taxa de socorro a elétricas

A taxa caiu de CDI (custo de depósito interbancário) mais 3,9% para CDI mais 3,79% ao ano

EnergiaEnergia - Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) informou nesta quinta (9) que obteve redução na taxa de juros do financiamento que será usado para socorrer o setor elétrico dos efeitos da pandemia do novo coronavírus. A taxa caiu de CDI (custo de depósito interbancário) mais 3,9% para CDI mais 3,79% ao ano.

O empréstimo, de R$ 14,8 bilhões, será concedido a 50 das 53 distribuidoras de eletricidade do país. Ao todo, 16 bancos participarão do socorro, sendo que o próprio BNDES e Banco do Brasil serão responsáveis por 29% do valor total. O restante será dividido entre bancos privados, incluindo os três maiores do país, Bradesco, Santander e Itaú.

O BNDES não informou o valor da queda na taxa, mas fontes do governo creditam o movimento à competição entre os bancos para participar do socorro. A taxa inicial havia sido considerada alta por empresas do setor.

 



O empréstimo tem como objetivo garantir liquidez para que as distribuidoras honrem seus compromissos de compra de energia em meio a um cenário de perda de receita com queda nas vendas e aumento da inadimplência. Segundo o MME (Ministério de Minas e Energia), a pandemia já retirou ao menos R$ 9 bilhões do setor.

O governo defende ainda que o socorro reduz a necessidade de reajustes em 2020, evitando o repasse à conta de luz de pressões tarifárias como o aumento do custo da energia de Itaipu, a entrada de novas linhas de transmissão e maiores gastos com subsídios.

"Para o consumidor, a medida permite uma postergação e um parcelamento em até cinco anos de impactos tarifários que, caso contrário, seriam sentidos de maneira imediata", disse, em nota divulgada nesta quinta, a CCEE. O empréstimo terá carência de um ano e será cobrado na conta de luz nos 54 meses seguintes.

O valor também ficou abaixo do autorizado pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), que era R$ 16,1 bilhões, porque três empresas do setor decidiram não aderir ao pacote de socorro: Forcel, do Paraná, Cooperaliança e João Cesa, de Santa Catarina. O prazo para adesão venceu na sexta (3).

Agora, a Aneel deve publicar despacho aprovando o valor final do empréstimo e a minuta dos contratos que serão celebrados com as distribuidoras. A expectativa é que os recursos sejam liberados ainda este mês. As empresas do setor pleiteiam ainda renegociação do equilíbrio econômico-financeiro dos contratos para adequá-los às perspectivas de consumo menor.

A solução pelo empréstimo repete estratégia adotada pelo governo Dilma Rousseff em 2014, quando as distribuidoras enfrentavam problemas de caixa por ter que comprar no mercado de curto prazo energia a preços altos para atender à crescente demanda na época.

Veja também

Produção de veículos faz indústria crescer em junho, mas distante de rombo da pandemia
Veículos

Produção de veículos faz indústria crescer em junho, mas distante de rombo da pandemia

Expansão da rede de saneamento demanda R$ 498 bi em investimentos até 2033
Investimento

Expansão da rede de saneamento demanda R$ 498 bi em investimentos até 2033