A-A+

5G

Após decretos do governo, Anatel deve analisar edital do 5G na sexta-feira

Maioria dos conselheiros já concordou em analisar o texto nesta semana

AnatelAnatel - Foto: Sinclair Maia/Anatel

Depois de dois adiamentos, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) deve analisar o edital do 5G na próxima sexta-feira. O conselheiro Moisés Moreira, que tinha pedido vista do processo,disse que deve devolver o texto para análise e pediu para que o conselho diretor se reúna nesta semana.

Moreira disse ao GLOBO que a maioria dos conselheiros já concordou com a nova data e que vai formalizar o pedido para que o presidente da agência, Leonardo Euler, marque a reunião extraordinária nesta sexta.

O conselheiro afirmou que os decretos publicados na sexta-feira e as informações enviadas pelo Ministério das Comunicações foram suficientes para dar segurança jurídica para a Anatel.
 

— O que faltava eram os decretos, o ministério também mandou outras informações do que seria uma modelagem prévia do projetos, tanto da rede da Amazônia quanto da rede privativa do governo e esses dois pontos dão segurança jurídica para nós e também para o próprio processo — explicou o conselheiro.

No início desta semana, Moreira pediu vista do processo alegando que alguns pontos precisavam ser ajustados para dar segurança à decisão da Anatel. Na época, ele disse que estava preocupado com a celeridade do processo, mas também com a prudência exigida no “maior edital da história da Anatel”.

Com isso, o edital deve ser analisado antes do dia 30 de setembro, quando estava marcada uma reunião ordinária do conselho diretor da agência.

O governo quer que o leilão aconteça ainda neste ano. O ministro das Comunicações, Fabio Faria, chegou a dizer que poderia acontecer no fim de outubro e previu que a rede 5G deve ser lançada comercialmente em São Paulo no Natal.

Veja também

Empresas brasileiras serão mais cobradas por compromisso ambiental
Empresas

Empresas brasileiras serão mais cobradas por compromisso ambiental

Corte de R$ 600 mi da ciência foi 'rasteira' do governo, diz presidente do CNPq
Cortes na ciência

Corte de R$ 600 mi da ciência foi 'rasteira' do governo, diz presidente do CNPq