Economia

Após Natal fraco, lojas já começam a investir no Carnaval

Segundo a CDL, dezembro deve fechar com uma queda de 3,5%. Para lojistas, 2015 foi pior

Seminário está sendo realizado em rcoverde, no Sertão do Moxotó, nesta quinta (15).Seminário está sendo realizado em rcoverde, no Sertão do Moxotó, nesta quinta (15). - Foto: Hélia Scheppa/PSB

A passagem do Papai Noel pelo comércio do Centro do Recife foi um pouco atrapalhada este ano, já que o bom velhinho não conseguiu fazer o milagre de expansão das vendas. O resultado, como classificou uma vendedora na rua da Praia, não foi “lá essas coisas”, mas foi menos ruim que o Natal de 2015. Em busca de reação, muitos lojistas já estão abrindo alas para o Carnaval e começaram a decorar seus pontos com adereços a fim de chamar a atenção dos que passam.

Com a loja cheia de sombrinhas de frevo penduradas no teto, o gerente da loja situada na rua das Calçadas Jackson Nunes se contenta com as vendas que não foram tão ruins quanto as do ano passado. “Foi fraco. Mas começamos logo a nos preparar para o Carnaval e já tem gente procurando” anima-se, acrescentando que algumas máscaras até já acabaram no estoque.

Mais triste está a também gerente Lucilene Sobral. Ela confessa que - visto o momento ruim para as vendas durante todo o ano - não tinha grandes expectativas para o Natal. “Já estivemos melhores. Esse Natal, com certeza, não compôs um resultado positivo”, pontuou. O que restou dos produtos natalinos, ainda expostos nas grades em frente a loja, serão recolhidos em caixas e esperarão compradores só no ano que vem.

Esse descontentamento foi constatado pela Câmara dos Dirigentes Lojistas de Recife (CDL). O presidente da entidade, Eduardo Catão, informou que a queda nas vendas de dezembro deverá chegar a 3,5% em comparação ao ano passado. “A data natalina foi afetada pelo ano que já não vinha bem”, explicou. O economista da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Pernambuco (Fecomércio-PE) Rafael Ramos reforça: “Esse Natal não foi de recuperação”. Mas pontua que, comparado a gravidade que foi 2015, a queda representa uma desaceleração.

Ambulante

Quem não sentiu nada disso foi o vendedor ambulante Carlos Jorge Almeida. Ele, que veio da Paraíba atrás de emprego e teve a oportunidade de trabalhar vendendo calçados, conta que o resultado do Natal foi tão bom que agora está quase sem mercadoria. “Eu achei muito bom. Mas acredito que tenha sido por conta do nosso preço, pois temos sandálias de R$ 15 até R$ 35”, revela a tática.

Veja também

Bolsonaro diz que 'tem mais coisa para acontecer' na Petrobras para 'buscar alternativas'
Petrobras

Bolsonaro diz que 'tem mais coisa para acontecer' na Petrobras para 'buscar alternativas'

Instagram passa por instabilidade nesta segunda-feira (16); aba "explorar" apresenta mudanças
REDES SOCIAIS

Instagram passa por instabilidade nesta segunda-feira (16); aba "explorar" apresenta mudanças