A-A+

Após reunião com Guedes, relator de PEC propõe fim de piso de recursos para saúde e educação

A justificativa era desobrigar o orçamento público e dar mais poder de decisão aos governantes

Paulo Guedes, ministro da economiaPaulo Guedes, ministro da economia - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

O senador Marcio Bittar (MDB-AC), relator de PEC (proposta de emenda à Constituição) criada pelo governo que altera regras fiscais, planeja inserir no texto o fim do piso mínimo de recursos que União, estados e municípios devem destinar a saúde e educação.

A extinção dos pisos era a ideia original do ministro Paulo Guedes (Economia), como mostrou o jornal Folha de S.Paulo. A justificativa era desobrigar o orçamento público e dar mais poder de decisão aos governantes. O titular da pasta, no entanto, foi convencido por técnicos do governo a amenizar a proposta diante de uma possível reação negativa.

Por isso, Guedes acabou enviando ao Congresso uma proposta que soma os pisos para as duas áreas. Com isso, argumenta a equipe econômica, um governante poderia distribuir os recursos conforme a demanda local (uma cidade com mais idosos que jovens, por exemplo, poderia destinar mais verba à saúde do que à educação).

Leia também:
Guedes avalia autorizar recomposição do salário mínimo deste ano
Não me arrependo, diz assessor de Guedes denunciado pelo MPF

Ao sair de reunião feita hoje com Guedes, Bittar afirmou que pretende retomar a proposta original e acabar com os pisos. "Se depender de mim, eu avanço e desvinculo tudo", diz. Antes, o senador falava apenas em flexibilizar a proposta para destinar verbas também à segurança pública.

"A ideia de tutelar e estabelecer que tem que gastar um tanto com saúde e educação, na prática, aprovou-se ineficiente. Se fosse assim seria quase mágica. Não, você gastou mais com educação nos últimos anos e ela não melhorou. Pelo contrário, ela piorou muito", diz o senador.

Hoje, a Constituição determina que estados devem destinar 12% da receita à saúde e 25% à educação. Municípios devem alocar 15% e 25%, respectivamente.

A União também precisa destinar recursos mínimos às duas áreas. Com a entrada em vigor do teto de gastos em 2016 (que limitou as despesas, mas deixou de fora essas áreas), o piso nesse caso é o montante do ano anterior mais a inflação.

Se a proposta do senador avançar e for aceita pelo Congresso, não haveria mais nenhum patamar mínimo.

De acordo com o senador, Guedes quer a extinção dos pisos. "Ele já declarou várias vezes que é a favor. Agora, temos que fazer uma checagem. Mas se depender de mim, desvincula", disse. "Eu apresento como acho que deve ser. Vai ser aprovada ou não? Vamos para o debate", afirma.

O senador planeja ainda uma maneira de limitar os gastos públicos nas Câmaras de Vereadores pelo país conforme a população local, mas que a proposta ainda está em debate. "Acho que há um desperdício enorme no Parlamento", afirmou.

Veja também

Montanha-russa de emoções: O que a pane das redes diz sobre a saúde mental?
Tecnologia e Games

Montanha-russa de emoções: O que a pane das redes diz sobre a saúde mental?

E quem nunca se isolou? Trabalhadores essenciais celebram o fim de uma restrição que nunca os tocou
Flexibilização

E quem nunca se isolou? Trabalhadores essenciais celebram o fim de uma restrição que nunca os tocou