Economia

Após superar os R$ 4,50, dólar reduz alta e fecha a R$ 4,477 pela 1ª vez

Na máxima da sessão, o dólar superou os R$ 4,50 pela primeira vez na história

Dólar, moeda americanaDólar, moeda americana - Foto: Arquivo/Agência Brasil

A cotação do dólar segue pressionada pelo avanço do coronavírus fora da China. Nesta quinta-feira (27), a moeda fechou em alta de 0,58%, a R$ 4,477, novo recorde nominal (sem levar em conta a inflação). Na máxima da sessão, o dólar superou os R$ 4,50 pela primeira vez na história.

Dentre as principais moedas globais, o real teve o terceiro pior desempenho do pregão. No ano, a divisa brasileira tem a pior performance, com queda de 11,5% ante o dólar.

Nesta quinta, o Banco Central vendeu 20 mil contratos de swap cambial, que equivalem a US$ 1 bilhão. A operação aumenta a oferta da moeda no mercado, o que reduz a cotação. Porém, teve pouco efeito no pregão desta quinta.

Leia também:
Dólar bate R$ 4,50 com temor por surto de coronavírus
Coronavírus faz dólar fechar a R$ 4,45, novo recorde


No exterior, o viés também foi negativo, com aversão a risco gerada pelas incertezas quanto aos impactos econômicos do coronavírus. As principais Bolsas da Europa caíram mais de 3%. Nos Estados Unidos, Dow Jones e S&P 500 caíram 4,4% cada uma e Nasdaq, 4,6%.

O barril de petróleo Brent, referência internacional para a commodity, caiu 3% para US$ 51,81, o menor patamar desde dezembro de 2018.

No Brasil, a Bolsa brasileira fechou em queda de 2,59% -a quarta seguida- a 102.983 pontos, menor patamar desde 10 de outubro de 2019. Na quarta, o Ibovespa despencou 7%, refletindo as quedas do mercado financeiro durante o Carnaval.

Os bancos amenizaram a queda do índice. Banco do Brasil subiu 1,9%, a R$ 46,10 e Bradesco, 0,6%. O Itaú fechou estável.

O risco-país brasileiro medido pelo CDS (Credit Default Swap) de cinco anos subiu 15,5% para os 126 pontos, maior patamar desde novembro.

Investidores temem o avanço do coronavírus fora da China. Nesta quinta, a o governo da Califórnia disse que monitora 8.400 pessoas com sintomas da doença e que 33 já testaram positivo.

Na Europa, o vírus também avança rápido. Nos últimos dias, a Itália passou a ser o terceiro país com maior número de infectados e mortes pelo covid-19. A maior parte dos casos se concentra na região mais industrializada do país, o que pode ter impactos econômicos relevantes para o crescimento global.

Na quarta (26), foi confirmado o primeiro caso do coronavírus no Brasil, de um homem que viajou à Itália.

Além da preocupação com efeitos da disseminação da doença, agentes financeiros temem o risco político como fator adicional para a fraqueza da Bolsa e alta do dólar, com o recente atrito entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso, após ele compartilhar vídeo que convoca a população a participar de manifestações contra os parlamentares.

"O temor é que possa haver algum impacto no calendário de aprovação das reformas", destacou a equipe da XP Investimentos.

Veja também

Fontes renováveis na matriz energética deve aumentar em 2022, diz MME
energia

Fontes renováveis na matriz energética deve aumentar em 2022, diz MME

Aposta de Jaboatão acerta cinco dezenas e leva quase R$ 56 mil quina da Mega-Sena
Loterias

Aposta de Jaboatão acerta cinco dezenas e leva quase R$ 56 mil quina da Mega-Sena