Guerra na Ucrânia

Apple suspendeu a venda de produtos na Rússia, como reação à invasão da Ucrânia

A big tech atendeu a um pedido feito na última semana por representantes do governo ucraniano

AppleApple - Foto: Olaf Kraak / ANP / AFP

A Apple anunciou nesta terça-feira que interrompeu a venda de produtos na Rússia depois que o país invadiu a Ucrânia, na última quinta-feira. A big tech afirma que a empresa está ao lado de "todas as pessoas que estão sofrendo pelas consequências da violência".

A fabricante do iPhone disse ainda que tomou uma série de ações em resposta à invasão do território ucraniano, incluindo suspender a venda de produtos da maçã na Rússia.

"Na última semana, nós paramos todas as nossas exportações aos canais de vendas dentro do país. Apple Pay e outros serviços também foram limitados", destaca a empresa, que desativou o tráfego e incidentes ao vivo de seus mapas na Ucrânia.

Além disso, os aplicativos de portais de notícias estatais, como Russia Today e Sputnik, não estão mais disponíveis na App Store da Apple fora da Rússia.

Logo após a invasão, representantes do governo ucraniano pediram que o CEO da Apple, Tim Cook, suspendesse as vendas na região.

"Nós estamos apoiando os esforços humanitários, providenciando ajuda para a crise de refugiados que está agravando, e fazendo tudo que podemos para apoiar nossas equipes na região", constatou a empresa em comunicado divulgado nesta terça-feira.

Veja também

Quem precisa fazer prova de vida em 2024? Entenda como vai funcionar procedimento automático do INSS
inss

Quem precisa fazer prova de vida em 2024? Entenda como vai funcionar procedimento automático do INSS

Na China, vendas da Tesla e outros fabricantes de carros elétricos têm forte queda em fevereiro
MUNDO

Na China, vendas da Tesla e outros fabricantes de carros elétricos têm forte queda em fevereiro