Aprovação pela UE de acordo com Mercosul deve ficar para 2021

Os negociadores da UE e do Mercosul chegaram a um acordo político em junho, após 20 anos de negociações comerciais

MercosulMercosul - Foto: Secretaria do Mercosul

A comissária europeia de Comércio, Cecilia Malmström, afirmou nesta terça-feira (1º) que a aprovação da União Europeia (UE) para a assinatura do acordo comercial com os países do Mercosul não vai acontecer antes do final de 2020.

"Isso provavelmente não chegará à mesa dos ministros antes do Natal do próximo ano", disse Malmström, que deixará o cargo em 31 de outubro, após uma última reunião com os ministros europeus do Comércio.

Os negociadores da UE e do Mercosul chegaram a um acordo político em junho, após 20 anos de negociações comerciais.
O texto deve passar por uma revisão legal antes da aprovação por parte dos países europeus para a assinatura formal.

Leia também:
UE pressiona Bolsonaro e vincula pacto do Mercosul à defesa da Amazônia
Mercosul fecha novo acordo comercial com quatro países europeus, anuncia Bolsonaro


Durante esse período, a comissária sueca disse que tanto os 28 países da UE, quanto Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai, devem "buscar compromissos com seus respectivos interessados, sociedade civil e parlamentos".

Depois da assinatura formal, o acordo pode entrar em vigor provisoriamente, após a aprovação da Eurocâmara. Em seguida, para a aplicação final, é necessária a ratificação dos parlamentos nacionais de todos os países.

Em um contexto de preocupação em alguns países europeus com a política ambiental do atual presidente Jair Bolsonaro, Malmström alertou que o Acordo de Paris sobre o Clima deve ser respeitado.

"Caso contrário, é claro, a ratificação pode ser problemática", reconheceu a comissária, que deve substituída em 1º de novembro pelo atual comissário da Agricultura, o irlandês Phil Hogan.

Veja também

Bolívia propõe perdão da dívida externa diante da crise
Coronavírus

Bolívia propõe perdão da dívida externa diante da crise

Mobilidade urbana: maioria defende incentivo ao transporte coletivo
Transporte

Mobilidade urbana: maioria defende incentivo ao transporte coletivo