Arena de Pernambuco terá patrocínio de companhia de bebidas

Dona de marcas como Skol, Brahma e Budweiser, Ambev terá de trazer R$ 1 milhão para o estádio neste ano. Arena estava sem patrocinador há quase três anos

Arena de PernambucoArena de Pernambuco - Foto: Divulgação

Após quase três anos sem patrocinador, a Arena de Pernambuco vai voltar a ser apoiada pela iniciativa privada. O empreendimento terá o patrocínio da Ambev, companhia de bebidas que detém marcas como Skol, Brahma e Budweiser e se comprometeu a trazer pelo menos R$ 1 milhão para o estádio até o fim deste ano. Em troca, a marca terá exclusividade na comercialização de bebidas e áreas de publicidade no campo. A Ambev, no entanto, não poderá associar seu nome ao da Arena, como fez a Itaipava em 2014.

Diretor-geral da Arena, Kleber Borges contou que o novo contrato de patrocínio foi fechado no início desta semana, quando chegou ao fim o prazo do edital lançado pela Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur) no último dia 19. “A Ambev apresentou a melhor proposta e já entregou toda a documentação necessária. Então, é a vencedora do pregão”, antecipou Borges, dizendo que esse contrato ainda será homologado no Diário Oficial. “Com isso, serão oito dias para a assinatura do contrato. Por isso, nossa pretensão é que a Ambev comece a operar ainda neste mês de abril”, disse o atual gestor da Arena.

Leia também:
Arena de Pernambuco busca novos caminhos
Arena de Pernambuco busca novos patrocinadores


Ele explicou ainda que a cota de R$ 1 milhão não deve ser paga em dinheiro em espécie, mas na prestação de serviços. O edital solicita, por exemplo, que o patrocinador traga 70% deste valor através da captação de eventos e 30% na manutenção do estádio. E a Arena já tem os primeiros pedidos para a Ambev. A companhia deve trazer, por exemplo, novas geladeiras e placas de sinalização interna para o estádio. Afinal, os equipamentos atuais têm o logo da antiga patrocinadora, a Itaipava, e alguns já foram até retirados por conta disso.

Mas o maior desafio da Ambev será mesmo na captação de eventos. Borges explicou que o Governo do Estado está articulando a vinda de shows internacionais para a Arena, mas os eventos estavam dependendo de patrocínio. “É difícil viabilizar grandes eventos no Nordeste, mas agora será mais fácil, visto que teremos uma parceira forte e de presença mundial”, alegou o diretor-geral da Arena, revelando que a intenção é realizar um show em agosto e outro em dezembro deste ano. “Devemos anunciar o primeiro já neste mês”, prometeu.

Em contrapartida, a Ambev terá espaços exclusivamente para a exposição da sua marca dentro do estádio, inclusive nas faixas da arquibancada. A marca ainda será a única a vender bebidas na Arena. Porém ainda não definiu qual cerveja será a patrocinadora máster do empreendimento. Nos bastidores, no entanto, comenta-se que a decisão deve girar em torno da Skol e da Brahma. Afinal, a primeira cerveja tem uma presença forte na região e a segunda é parceira antiga do futebol. A Brahma é patrocinadora de diversos clubes nacionais, inclusive Náutico e Sport, e também vai apoiar a Copa do Mundo do Brasil. Isso, contudo, não deve impedir a comercialização de outras cervejas do grupo no campo, como Budweiser e Stella Artois.

A marca escolhida, no entanto, não vai dar nome ao estádio, que se chamava Itaipava Arena Pernambuco em 2014. “Este contrato não prevê naming rights, só uso de imagem e exclusividade na comercialização. Então, a Arena continua se chamando Arena de Pernambuco”, explicou Borges.

Histórico

Quando foi inaugurada, em 2013, a arena construída para a Copa do Mundo de 2014 em Pernambuco fechou contrato de patrocínio com a Itaipava. A ideia da marca era aplicar R$ 100 milhões em dez anos no estádio. Porém foi abandonada em 2015, devido à frustração de receitas e os consequentes prejuízos do estádio. Isso provocou até a rescisão do contrato de Parceria Público-Privada (PPP) com a Odebrecht. Por isso, só no ano passado, o Estado decidiu buscar um novo patrocinador. E, mesmo assim, a primeira tentativa não teve sucesso. Em julho passado, o governo lançou um edital em busca de patrocinador, mas não recebeu nenhuma proposta. Por isso, o edital atual, vencido pela Ambev, é mais maleável: a começar pela previsão de arrecadação anual, que caiu de R$ 4 milhões para R$ 1 milhão.

 

Veja também

Usina negocia crédito de carbono
Cana-de-açúcar

Usina negocia crédito de carbono

237 mil trabalhadores com salário reduzido têm atraso em benefício do governo
economia

237 mil trabalhadores com salário reduzido têm atraso em benefício do governo