Argentina suspende participação no Mercosul devido à crise do coronavírus

O governo afirmou que essa decisão se deve ao fato de que a prioridade argentina agora é o combate ao coronavírus

Presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández Presidente eleito da Argentina, Alberto Fernández  - Foto: PEDRO PARDO / AFP

A Argentina anunciou na sexta-feira (24) à noite que irá deixar de participar das negociações de acordos comerciais do Mercosul, com a exceção dos dois mais importantes em andamento, o da União Europeia e com a Associação Europeia de Livre Comércio (Efta).

O governo afirmou que essa decisão se deve ao fato de que a prioridade argentina agora é o combate ao coronavírus e às emergências econômicas internas causadas pela pandemia. A Argentina encontra-se, neste momento, em fase de negociação de suas dívidas, interna e externa, e realocando fundos para o enfrentamento da doença.

No comunicado enviado ao governo paraguaio, que por ora exerce a presidência pró-tempore do Mercosul, o governo argentino afirma que "não será obstáculo para que os demais países prossigam com seus diversos processos de negociação".

Leia também:
Quarentena longa na Argentina e recessão no Brasil serão negativos a ambos, dizem economistas
Por decreto, Fernández proíbe demissões na Argentina pelos próximos 60 dias
Presidente da Argentina critica Bolsonaro e diz que Brasil pode repetir caminho da Itália
 

A oposição reagiu de forma dura e pediu que o chanceler, Felipe Solá, compareça na segunda (27), ao Congresso, para apresentar as razões dessa atitude. Segundo o Juntos por el Cambio, bloco liderado pelo ex-presidente Mauricio Macri, "uma crise global faz com que seja ainda mais necessária a cooperação internacional e a integração regional."

Entre os outros países do bloco, apenas o Uruguai se expressou, por enquanto, por meio de seu chanceler, Ernesto Talvi, que afirmou desejar "um regresso rápido da Argentina à nossa mesa. Juntos somos mais".

A decisão mostra que o distanciamento entre Brasil e Argentina segue ocorrendo. Ambos os países, que têm a seus dois presidentes de costas um para o outro –até hoje, Jair Bolsonaro não conversou com seu par argentino, Alberto Fernández– vêm adotando políticas diferentes com relação ao enfrentamento da pandemia e também têm divergências entre si sobre qual deve ser o papel do Mercosul.

Veja também

Idosos vacinados planejam retomar hábitos de consumo
Consumo

Idosos vacinados planejam retomar hábitos de consumo

Burocracia freia os negócios
Burocracia

Burocracia freia os negócios