Arrecadação federal cai 29% em abril sob efeito do coronavírus

Entre janeiro e abril, o governo federal acumulou uma perda real de 7,45% nas receitas de tributos, se comparada com período equivalente de 2019

Receita Federal Receita Federal  - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Sob efeito da crise provocada pelo novo coronavírus, a arrecadação federal de tributos despencou 29% em abril, na comparação com o mesmo mês do ano passado, já descontada a inflação. O resultado de R$ 101 bilhões no período é o pior registrado pela série histórica da Receita Federal, iniciada em 2007.

Entre janeiro e abril, o governo federal acumulou uma perda real de 7,45% nas receitas de tributos, se comparada com período equivalente de 2019. Os números, apresentados nesta quinta-feira (21), refletem uma deterioração da atividade econômica por conta da pandemia. Também é observado impacto de medidas que adiaram a cobrança de tributos pelo governo para aliviar o caixa das empresas no período.

Leia também:
IGP-M acumula taxa de inflação de 6,22% em 12 meses
Na pandemia, aeroporto do Recife se consolida como centro logístico

Diante do agravamento da crise, o Ministério da Economia anunciou a suspensão de cobranças de tributos como Pis/Cofins e contribuição previdenciária, além de pagamentos do Simples Nacional. Parte das medidas começou a surtir efeito nas parcelas de abril.

Esses adiamentos não significam que os tributos não serão cobrados. Após a suspensão, os valores precisarão ser quitados pelas empresas. O governo organizou os cronogramas para que os pagamentos sejam concluídos até dezembro, sem que o impacto seja empurrado para o ano que vem.

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial
Benefício

Secretários de Fazenda apelam ao Congresso pela prorrogação do auxílio emergencial

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão
Restrições

Lojas e restaurantes de São Paulo dizem que novas restrições levarão a mais demissão