Assessor econômico de Trump pede demissão

Gary Cohn havia protestado contra a decisão do presidente americano de impor tarifas aduaneiras sobre o aço e o alumínio.

Presidente dos EUA, Donald TrumpPresidente dos EUA, Donald Trump - Foto: Olivier Douliery / AFP

O principal assessor econômico de Donald Trump, Gary Cohn, renunciou nesta terça-feira (6), após ter protestado contra a decisão do presidente americano de impor tarifas aduaneiras sobre o aço e o alumínio. "Foi uma honra servir ao meu país e promulgar políticas econômicas pró-crescimento em benefício do povo americano", disse Cohn em um comunicado lacônico.

Leia também:
Aço: protesto faz consulado dos EUA suspender emissão de vistos em São Paulo
Toyota prevê aumento de preços com taxação de aço nos EUA
Departamento de Comércio dos EUA propõe tarifa ao aço brasileiro


Cohn, que dirigia o influente Conselho Econômico Nacional (NEC), se une a uma longa lista de colaboradores de Trump que abandonaram a Casa Branca nos últimos meses.
"Gary foi meu assessor econômico e fez um trabalho extraordinário para estabelecer nosso programa, ajudando a conquistar uma reforma fiscal histórica e a liberar novamente a economia americana", declarou Trump, sem mencionar suas divergências sobre o protecionismo. "É um talento raro e quero lhe agradecer por seu dedicado serviço ao povo americano".

O presidente americano anunciou na semana passada sua intenção de taxar as importações de aço e alumínio em 25% e 10%, respectivamente, o que provocou reações em todo o planeta. Durante várias semanas, Gary discutiu com o presidente sobre a aproximação do momento de sua demissão", revelou um funcionário da Casa Branca.

A renúncia do ex-executivo da Goldman Sachs gera preocupação nos corredores de Wall Street e deve agitar a sessão na Bolsa americana. O judeu Cohn, 57 anos, já havia manifestado suas divergências com Trump. Em agosto de 2017, criticou o presidente por sua posição ambígua diante da violência neonazista em Charlottesville (Virgínia).

Na ocasião, aliados do governo trataram de manter Cohn no barco aventando a perspectiva de que pudesse ocupar um cargo no gabinete. Cohn contribuiu no final do ano passado para que a reforma fiscal promovida por Trump fosse aprovada pelo Congresso.

Durante muito tempo, Cohn foi visto pelos democratas como uma influência moderadora ao nacionalismo econômico de Trump e de outros assessores do presidente, como Peter Navarro.

Veja também

Parceria entre o Sebrae e o Facebook capacita pequenos empreendedores
Empreendedorismo

Parceria entre o Sebrae e o Facebook capacita pequenos empreendedores

Contas de água, luz e telefone poderão ser pagas pelo Pix em novembro, diz BC
economia

Contas de água, luz e telefone poderão ser pagas pelo Pix em novembro, diz BC